Rua Cabo Diogo Oliver terá interdição parcial

A rua Cabo Diogo Oliver será interditada para o trânsito de veículos a partir desta sexta-feira, 24/01/2020, no trecho entre a rua Engenheiro Gualberto e a linha férrea, no Mogilar. A medida, que valerá até domingo, 26/01, será necessária para a realização de obras que fazem parte da construção da praça Diego Leme Chavedar. O acesso ao túnel do Complexo Viário Jornalista Tirreno Da San Biagio permanecerá aberto.

As intervenções que serão executadas durante os dias em que a via será interditada tem como objetivo melhorar a segurança dos pedestres que circularão entre a futura praça e a travessia da linha férrea e a rua Américo Rodrigues Da San Biagio.

A alternativa para os motoristas que estão na rua Cabo Diogo Oliver e desejam acessar a região da rua Américo Rodrigues Da San Biagio ou a avenida Francisco Rodrigues Filho é a utilização das ruas Casarejos e José Alves dos Anjos. Já quem estiver circulando pela rua Engenheiro Gualberto poderá utilizar a rua Afonso Pena para chegar à rua Casarejos. Agentes municipais de trânsito farão a orientação dos motoristas.

Interdição acontecerá entre sexta-feira e domingo (24 e 26/01) e será necessária para obras que fazem parte da construção da praça Diego Leme Chavedar. Foto: Divulgação

Os ônibus do transporte coletivo que circulam pela região também utilizarão, durante o período de interdições, as ruas Casarejos e José Alves dos Anjos. A medida valerá para as linhas municipais e intermunicipais, em um total de 360 passagens por dia. A Secretaria Municipal de Transportes também remanejou provisoriamente os pontos de ônibus localizados nos trechos que serão afetados pela interdição.

A construção da praça Diego Leme Chavedar faz parte do projeto de renovação urbanística da região central de Mogi das Cruzes. Ela está sendo construída no espaço entre as ruas Cabo Diogo Oliver, Hamilton da Silva e Costa e Engenheiro Gualberto, no Mogilar. O projeto completo de requalificação da região tem investimento de R$ 3.930.632,99 e também inclui a reforma das praças Sacadura Cabral e Oswaldo Cruz.

As obras estão baseada em três eixos. O primeiro é o urbanístico, que prevê a priorização de pedestres, novos mobiliários, arborização e pisos drenantes. O segundo é o social e incluirá a nova base de monitoramento da Guarda Municipal, a iluminação pública com luminárias LED, o monitoramento com câmeras e a instalação de rede wi-fi. Já o terceiro será o de mobilidade urbana, que contemplará toda a reorganização do sistema viário.

Fonte: Prefeitura de Mogi das Cruzes

Tarifa do transporte coletivo será mantida em R$ 4,50

O prefeito Marcus Melo anunciou na manhã desta quarta-feira, 15/01/2020, em entrevista à imprensa, que não haverá aumento na tarifa do transporte coletivo de Mogi das Cruzes em 2020. Durante a reunião, também foram detalhados novos investimentos para o setor, com a abertura de licitações para a compra de 670 novos abrigos para pontos de ônibus.

As empresas apresentaram as solicitações de reajuste, que foram analisadas tecnicamente, de acordo com a concessão. Em 2019, o país teve uma inflação baixa, então, decidimos que a tarifa de ônibus será mantida no valor atual”, explicou Marcus Melo.

Com isso, a passagem de ônibus em Mogi das Cruzes permanece com o valor de R$ 4,50. O passe escolar é R$ 1,87, o que representa 41,5% da tarifa integral. O transporte coletivo de Mogi das Cruzes tem 247 ônibus, que operam 85 linhas e fazem 3.672 partidas diárias. Durante o ano passado, foram transportados 39.459.681 passageiros.

O prefeito também assinou a abertura de processo licitatório para a implantação de 670 novos abrigos em pontos de ônibus na cidade. A previsão é que os abrigos sejam implantados dentro deste ano. Com este investimento, o número de abrigos em pontos de ônibus chegará a 1.370, um aumento de 128,3% com relação a 2016.

O secretário municipal de Transportes, José Luiz Freire de Almeida, apresentou dados do sistema de ônibus da cidade e os novos abrigos que serão implantados

A Prefeitura está investindo em conforto para os passageiros, que é um pedido da população. Estamos trabalhando para que as pessoas não precisem ficar no sol ou na chuva esperando o ônibus”, disse Marcus Melo, lembrando que outros 100 abrigos já foram instalados no ano passado.

Dos novos abrigos, 470 serão adquiridos por meio de um financiamento junto à Caixa Federal. Eles trarão mais proteção para os passageiros, energia solar, iluminação e tomadas para o carregamento de equipamentos eletrônicos. Os abrigos também terão acessibilidade e espaço para cadeirantes. Outros 200 abrigos serão do modelo padrão adotado pelo município atualmente.

O prefeito também lembrou que neste ano, o sistema de transporte coletivo receberá 47 novos ônibus, que substituirão veículos mais antigos para renovação da frota. Deste total, serão 27 ônibus da empresa CS Brasil e 20 ônibus da empresa Princesa.

A renovação permitirá que a idade média da frota de ônibus do transporte coletivo municipal chegue a dois anos e sete meses.

Também participaram da entrevista, o secretário municipal de Transportes, José Luiz Freire de Almeida, o secretário de Gabinete, Romildo Campello, o presidente da Câmara Municipal, Sadao Sakai, e os vereadores Diego Martins e Jean Lopes.

Fonte: Prefeitura de Mogi das Cruzes

Metrô e CPTM vão operar durante a madrugada do Ano-Novo (2019/2020)

Na madrugada da virada do ano, a CPTM manterá a circulação de trens para atender os passageiros que vão participar da festa na Avenida Paulista.

As estações das linhas 7-Rubi (Luz – Francisco Morato), 8-Diamante (Júlio Prestes – Itapevi), 9-Esmeralda (Osasco – Grajaú), 10-Turquesa (Brás – Rio Grande da Serra), 11-Coral (Luz – Estudantes), 12-Safira (Brás – Calmon Viana) e 13- Jade (Engenheiro Goulart – Aeroporto) estarão abertas para embarque e desembarque até 01h00 do dia 1º de janeiro.

Após a 01h00, somente as estações Luz, Tatuapé, Corinthians-Itaquera, Pinheiros, Santo Amaro, Palmeiras-Barra Funda e Tamanduateí, que fazem integração gratuita com o Metrô, estarão abertas para a transferência dos usuários e para o desembarque. A Estação Brás terá um horário diferenciado: funcionará para embarque e desembarque até as 2h00. A partir desse horário, ficará aberta só para desembarque até o início da operação às 4h00.

Foto: Ciete Silvério/Governo do Estado de SP

Nesse período, o intervalo entre as composições será de 20 minutos em todas as Linhas CPTM, exceto a Linha 13-Jade, que irá operar com intervalo de 30 minutos. As demais estações do sistema continuarão funcionando na madrugada só para desembarque.

Em caso de dúvidas ou informações complementares, a CPTM coloca à disposição o Serviço de Atendimento ao Passageiro: 0800 055 0121.

Metrô

Para facilitar o deslocamento dos passageiros até o local da festa, o funcionamento das estações nas Linhas 1-Azul, 2-Verde, 3-Vermelha e 15-Prata (de Vila Prudente à Jardim Planalto) será ininterrupto na virada do ano.

As estações das linhas 1, 3 e 15, com exceção das recém-inauguradas estações Sapopemba, Fazenda da Juta e São Mateus, que operam de segunda a domingo, das 9h00 às 16h00, funcionarão para embarque e desembarque até às 2h00 da manhã do dia 1º de janeiro. Depois deste horário, as estações destas três linhas continuarão em operação, no entanto, somente para o desembarque.

Na Linha 2-Verde, as estações Paraíso, que se integra à Linha 1-Azul, Brigadeiro e Trianon/Masp, funcionarão a madrugada inteira para embarque e desembarque. Já nas demais estações da Linha 2, com exceção da estação Consolação, que fecha mais cedo no dia 31, o passageiro poderá embarcar até às 2h00 e, depois deste horário, o fluxo nas estações será somente para o desembarque.

Quem habitualmente acessa a rede metroviária pela estação Consolação, da Linha 2-Verde, deverá ficar atento. Por estar mais próxima do local onde será montado o palco da festa, por questões de segurança, os acessos a esta estação serão fechados mais cedo, às 16h00 do dia 31, e reabrirão somente às 4h40 do dia 1º. Como alternativa, os passageiros poderão utilizar os acessos da estação Paulista, da Linha 4-Amarela, que se integra à estação Consolação, para embarcar ou desembarcar. O Metrô informará sobre as alterações programadas por meio de cartazes, mensagens sonoras nas estações e trens e nas redes sociais oficiais da Companhia.

Para atender os passageiros que forem ao Réveillon da Paulista, o contingente de funcionários operativos e de segurança será reforçado nas estações mais próximas ao local do evento. A compra das viagens poderá ser feita nas bilheterias das estações Paraíso, Brigadeiro e Trianon-Masp, durante toda a madrugada. Já nas demais estações, a venda de passagens ocorrerá até as 2h00. Mesmo assim, para evitar filas de última hora, o Metrô recomenda a compra antecipada das passagens.

Em caso de anormalidades no sistema, o passageiro poderá utilizar os serviços SMS-Denúncia (97333-2252) e Metrô Conecta para entrar em contato com o Metrô. Basta encaminhar uma mensagem para atuação dos funcionários do Corpo de Segurança. O Metrô garante total anonimato do passageiro. Vale lembrar que é proibido o consumo de bebida alcoólica nas estações e trens.

Em caso de dúvidas, a Central de Informações do Metrô (0800 770 7722) atende diariamente, das 5h00 à meia-noite.

Fonte: Companhia Paulista de Trens Metropolitanos / Companhia do Metropolitano de São Paulo

​CPTM terá intervalos fixos aos sábados e domingos

A partir do próximo final de semana, dias 26 e 27/10/2019, a CPTM altera a grade dos intervalos médios programados, entre o final da noite de sábado e durante toda a operação comercial de domingo. Os intervalos terão em média até 35 minutos neste período. A medida é necessária para a execução das obras de melhorias e manutenção na via, nos sistemas de energia e nas próprias estações da Companhia.

A concentração das intervenções entre a noite de sábado e o domingo ocorre por conta da baixa demanda de passageiros neste período. Para se ter ideia, em comparação aos dias úteis, quando são transportados cerca de 3 milhões de pessoas, aos sábados o volume de passageiros é 58% menor e no domingo reduz até 70% deste total.

Os intervalos médios terão no máximo 35 minutos a partir de sábado à noite até o final da operação de domingo, quando a demanda é 70% menor

As obras devem começar a partir das 21h00 do sábado com término previsto à meia-noite de domingo. Estes horários programados somam-se ao período da madrugada e aos feriados, quando a CPTM aproveita a redução de passageiros no sistema para realizar as intervenções, visando oferecer um serviço cada vez mais rápido e confiável nos horários de maior movimento.

As equipes da CPTM manterão avisos ao público nos trens e estações sobre os serviços durante o final de semana. Em caso de dúvidas ou informações complementares, os passageiros podem ligar para a Central de Atendimento pelo 0800 055 0121. Também é possível saber a situação das linhas pelo App CPTM Oficial ou site cptm.sp.gov.br.

Fonte: CPTM

Prefeito entrega ao Governo do Estado documento contra pedágio na Mogi-Dutra

O prefeito Marcus Melo reafirmou seu posicionamento contrário à implantação de uma praça de pedágio no quilômetro 45 da rodovia Mogi-Dutra. O ofício ao Governo do Estado foi protocolado na tarde desta quarta-feira, 23/10/2019, junto à Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp), em São Paulo, e elenca diversas razões para que o município seja contrário à medida.

O documento reitera o posicionamento do prefeito sobre a questão. Em junho, ele já havia manifestado oficialmente ao Governo do Estado ser contrário à praça de cobrança na rodovia, que é a principal ligação entre Mogi das Cruzes e as rodovias Ayrton Senna e Presidente Dutra.

A Mogi-Dutra é utilizada diariamente por milhares de mogianos e cidadãos das cidades vizinhas que trabalham ou estudam na Capital ou Vale do Paraíba. Eles seriam penalizados com a cobrança, apesar do desconto por utilização proposto no projeto de Parceria Público-Privada, sendo um ônus demasiadamente pesado para todos. Pior ainda para quem mora nos bairros e loteamentos mais afastados, próximos à divisa com outras cidades que, absurdamente, teriam que pagar pedágio para vir ao centro da cidade”, destacou Marcus Melo no documento protocolado.

Prefeito Marcus Melo reiterou seu posicionamento contrário à implantação de pedágio na rodovia Mogi-Dutra e destacou que medida traria prejuízos para a cidade. Foto: Ney Sarmento/PMMC

O prefeito lembra que o trecho da rodovia Mogi-Dutra entre a cidade e a rodovia Ayrton Senna já possui estrutura consolidada, tendo tido a sua duplicação entregue em 2005. “Assim, a nosso ver, não existe justificativa técnica para a implantação de uma praça de pedágio na rodovia”, pontua.

O documento protocolado pontua ainda que a medida poderia trazer prejuízos econômicos para a cidade, uma vez que a rodovia é utilizada pelas indústrias da região para receber matéria-prima e para o escoamento de produtos. “É importante considerar ainda que, diariamente, centenas de pequenos produtores rurais utilizam a rodovia Mogi-Dutra para levar hortaliças, verduras e frutas para abastecer o Ceagesp e, assim, boa parte do Estado de São Paulo. A cobrança, então, representaria um aumento nos custos, o que pode ter reflexos no valor final dos produtos aos consumidores, inclusive paulistanos”, argumentou.

Sobre a rodovia Mogi-Bertioga, o prefeito lembra que a estrada foi construída nas décadas de 1970 e 1980, com recursos municipais. Com o tempo, ela se transformou em uma importante ligação da Região Metropolitana de São Paulo com o Litoral e atualmente se encontra saturada, principalmente pelo tráfego vindo da Zona Leste de São Paulo, e apresentando sérios problemas de fluidez aos finais de semana e feriados, além de questões estruturais, como deslizamentos.

Entendo que as melhorias que a estrada necessita só serão possíveis de serem executadas com a participação da iniciativa privada. Mas, isso não pode penalizar Mogi das Cruzes e as cidades vizinhas com um pedágio na Mogi-Dutra. Seria contraditório exigir que os mogianos paguem esta conta, enquanto quem mora na Zona Leste, que utiliza e congestiona as nossas vias para chegar a Mogi-Bertioga, fique isento da tarifa. Não é justo que os mogianos e os moradores do Alto Tietê sejam onerados pelas obras na Mogi-Bertioga, que foi construída com o suor dos mogianos”, afirma o documento.

Fonte: Prefeitura de Mogi das Cruzes