Com alerta de estiagem, Semae reforça necessidade de economia de água

O Sistema Nacional de Meteorologia (SNM), do governo federal, emitiu um alerta de emergência hídrica para a região que abrange o Estado de São Paulo, devido à previsão de chuvas abaixo da média no período de junho a setembro. Somente na área das represas que compõem o Sistema Produtor Alto Tietê (Spat), o volume de água armazenado em 31 de maio foi de apenas 57,9% da capacidade, inferior aos percentuais registrados no fechamento do mês de maio de 2020 (77,3%) e de 2013 (63,5%), ano que antecedeu a última crise hídrica.

Mais uma vez atento a esse possível cenário de escassez de água nos próximos meses, o Serviço Municipal de Águas e Esgoto (Semae) de Mogi das Cruzes reforça as recomendações para o consumo consciente de água e hábitos de economia, evitando desperdícios.

Para abastecimento público em Mogi das Cruzes, a autarquia faz a captação no rio Tietê, após descargas das barragens que estão à montante (antes) da captação, o que depende da regra operacional do Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE). A água das represas é utilizada pela Sabesp, na Estação de Tratamento Taiaçupeba, em Suzano.

Água é um recurso finito e uma disponibilidade menor aumenta a necessidade de economia. Foto: Guilherme Berti/PMMC

A autarquia vem intensificando as ações para evitar desperdícios, como o combate a vazamentos. Por meio da técnica do geofonamento, o Semae aumentou sua eficácia no combate aos vazamentos com um acréscimo de 45% na média mensal de manutenções. No ano passado, foram realizados 667 reparos por mês, em média. De janeiro a abril de 2021, o número subiu para 967.

Isso não significa que o número de vazamentos seja maior do que antes. A autarquia explica que este aumento é resultado da intensificação do geofonamento, que permite a localização de vazamentos não-visíveis e a rápida solução do problema.

O geofonamento identifica vazamentos não-visíveis, que são aqueles em que a água não aflora à superfície, mas permanece embaixo da terra. A verificação é feita nas redes e ramais (tubulações que ligam a rede de distribuição da rua aos imóveis) por meio de equipamentos mecânicos e eletrônicos que detectam ruídos.

De 1º de janeiro a 28 de maio de 2021, o Semae já inspecionou 364 quilômetros de tubulações com o uso de geofones.

Vazamentos não visíveis ocasionam desperdício de água e transtornos aos moradores, já que reduzem a pressão nas redes, podendo causar até desabastecimento. A metodologia do geofonamento aprimora atuação das equipes, ao agilizar manutenções preventivas e corretivas.

Outra ação que tem contribuído para reduzir o desperdício é a substituição de ramais, em vez do reparo. Quando há vazamento numa dessas ligações, a autarquia tem priorizado a troca, o que diminui a possibilidade de novos vazamentos.

O Semae solicita a colaboração de todos os munícipes para que, ao identificar um vazamento, entrem em contato com a autarquia pelo telefone 115.

Necessidade de economia

A autarquia orienta medidas simples para economizar água. O chuveiro, por exemplo, é considerado um dos principais meios de desperdício. Durante o banho, desligá-lo enquanto se ensaboa o corpo pode representar uma redução de 80 litros de água consumida, dependendo do tempo de banho. Em um mês, são 2,4 mil litros de água (por pessoa) que deixam de ir desnecessariamente para o ralo.

Cinco minutos de torneira aberta na pia da cozinha ou no tanque consomem cerca de 75 litros.

Outras recomendações, não só do Semae como de muitas companhias de abastecimento, são fechar a torneira ao escovar os dentes, fazer lavagens de roupas sempre com a máquina cheia (apenas quando tiver carga suficiente para completá-la), além de identificar e reparar possíveis vazamentos internos (veja mais dicas abaixo).
 

Algumas dicas para economizar água:

•    Tome banhos de, no máximo, 5 minutos, e feche o chuveiro enquanto se ensaboa;
•    Feche a torneira enquanto escova os dentes (ou, melhor ainda, use um copo com água);
•    Se utiliza máquina de lavar, faça isso com o equipamento cheio (apenas quando tiver carga suficiente para completá-lo)
•    Feche a torneira ao ensaboar as louças;
•    Evite utilizar a mangueira para lavagem de veículos. Opte pelo balde;
•    Evite a mangueira para regar plantas. Use regador;
•    Não use mangueira para limpeza de calçada. Utilize vassoura;
•    Sempre que possível, reutilize água (a água que sai da máquina de lavar, por exemplo, pode ser usada para lavar quintal, banheiro, calçada etc.);
•    Não utilize o vaso sanitário como lixeira;
•    Identifique possíveis vazamentos internos e, se constatados, faça os devidos reparos.

Fonte: Prefeitura de Mogi das Cruzes

Semae descarta isenção de taxa de água e esgoto para comércios impedidos de funcionar

A Câmara Municipal de Mogi das Cruzes, por meio da Comissão Permanente de Obras, Habitação, Meio Ambiente, Urbanismo e Semae, se reuniu com o diretor do SEMAE, Marcelo Vendramini, na manhã da última sexta, 16/04/2021. Na reunião foram abordados temas relativos ao abastecimento de água e tratamento de esgoto da cidade e as dificuldades no serviço durante a pandemia de Covid-19.

A reunião foi dirigida pelo presidente da comissão, o vereador Carlos Lucareski e contou com a participação dos demais membros: Osvaldo Silva, Marcos Furlan e Vitor Emori. Durante o encontro foram discutidos temas como falta a de água em alguns bairros da cidade, funcionamento dos novos reservatórios e parcelamento de dívidas ativas. O principal tema, no entanto, foi sobre a reivindicação de parte do comércio, que quer isenção nas tarifas mínimas de água e esgoto, dos estabelecimentos que foram impedidos de funcionar por conta da Pandemia (atualmente o comerciante paga R$ 105,14 por mês de tarifa de água e esgoto, R$ 1.261,68 por ano, usando ou não).

O diretor do Semae, entretanto, explicou que há uma grande dificuldade em isentar essas taxas, uma vez que a renúncia de receita poderia gerar problemas para a autarquia com o Ministério Público e Tribunal de Contas. O desligamento temporário dos hidrômetros comerciais também é muito difícil, já que quem faz o serviço é uma empresa terceirizada, o que acarretaria custos para o Semae.

Os parlamentares ainda levantaram a dificuldade no abastecimento de água nos bairros mais afastados do centro, sobretudo aqueles localizados nos pontos mais altos da cidade. Vendramini explicou que já foram construídas várias caixas de água nesses locais e que em alguns meses todas estarão funcionando.

Foi uma reunião muito importante e produtiva para as duas partes, tanto para nós, que estamos em contato direto para a população quanto para o SEMAE que recebeu as principais demandas e as necessidades do povo”, pontuou o vereador Vitor Emori.

Fonte: Câmara Municipal de Mogi das Cruzes

Abastecimento de água será suspenso nesta terça-feira, 10/03/2020

O Serviço Municipal de Águas e Esgotos (Semae) interromperá a distribuição de água pelas estações Centro e Leste, na próxima terça-feira, 10/03/2020, a partir das 2h00, para manutenção preventiva e melhorias nas unidades de captação, tratamento, bombeamento e armazenamento de água. O abastecimento será retomado por volta das 18h00, mas a normalização do serviço será de forma gradativa, devendo se estabilizar na madrugada ou manhã de quarta, 11/03, principalmente nos pontos mais altos e que trabalham com redes bombeadas.

Serão feitas limpeza e desinfecção do reservatório baixo da Estação de Tratamento de Água (ETA) Centro; manutenção na válvula de retenção em bomba da estação de captação, no rio Tietê, e limpeza e desinfecção das plataformas de tratamento das ETAs Centro e Leste.

A autarquia também substituirá painéis elétricos da bomba de recalque da ETA Centro e de bombas da Vila Natal e Vila Oliveira – medida que possibilitará melhor controle da potência de bombeamento, menor consumo de energia elétrica e menos desgaste nas redes de distribuição, reduzindo, também, a frequência de vazamentos.

Serão feitos serviços de limpeza e desinfecção do reservatório baixo da ETA Centro e limpeza e desinfecção das plataformas de tratamento das ETAs Centro e Leste, entre outros trabalhos preventivos.

Devido a essa paralisação, a autarquia recomenda aos moradores que utilizem com economia a água armazenada em suas caixas-d’água, evitando a limpeza de carros e quintais e o desperdício em tarefas domésticas essenciais como a lavagem de louças e de roupas, além de reduzir o tempo de banho.

Ter um reservatório é fundamental para evitar transtornos durante os trabalhos de manutenção da rede ou outras intervenções que exigem a interrupção do abastecimento.

A reserva de 200 litros para cada morador é suficiente. Assim, uma casa com cinco pessoas deve ter uma caixa com capacidade para mil litros. Isso garante o abastecimento da residência por até 24 horas sem fornecimento de água.

Mais informações podem ser obtidas pelo telefone 115.

Bairros afetados:

  • Alto da Boa Vista
  • Alto da Glória
  • Alto do Ipiranga
  • Botujuru
  • Caixa d’Água Velha
  • Caminho do Mar
  • Centro
  • Chácara das Flores
  • Cidade Jardim
  • Conjunto Habitacional Estância dos Reis
  • Conjunto Habitacional Nova Bertioga
  • Conjunto Habitacional São Sebastião
  • Conjunto Habitacional Seki
  • Conjunto Habitacional Thaysa
  • Conjunto Habitacional Vereador Jefferson da Silva
  • Conjunto Residencial Álvaro Bovolenta
  • Conjunto Residencial Cláudia
  • Conjunto Residencial Cocuera
  • Conjunto Residencial Vila da Prata
  • Jardim Aracy
  • Jardim Armênia
  • Jardim Avenida
  • Jardim Bela Vista
  • Jardim Camila
  • Jardim Cíntia
  • Jardim das Bandeiras
  • Jardim do Paraíso
  • Jardim Juliana
  • Jardim Jussara
  • Jardim Mogi
  • Jardim Nair
  • Jardim Nathalie
  • Jardim Náutico
  • Jardim Paulista
  • Jardim Ponte Grande
  • Jardim Primavera
  • Jardim Rodeio
  • Jardim Rubi
  • Jardim Santa Carolina
  • Jardim Santista
  • Jardim São Francisco
  • Jardim São Pedro
  • Jardim Veneza
  • Loteamento Alvorada
  • Loteamento João Villanova
  • Loteamento Nova Mogilar
  • Loteamento Rio Acima
  • Morada do Sol
  • Nova Estância
  • Parque Monte Líbano
  • Parque Morumbi
  • Parque Ponte Grande
  • Parque Residencial Itapeti
  • Real Park Jardim do Colégio
  • Real Park Mogi
  • Real Park Tietê
  • Residencial Algarve
  • Residencial Fazenda Rodeio
  • Residencial Granja Anita
  • Residencial Jardim Maricá
  • Residencial Nair
  • Residencial Veredas
  • Sabaúna
  • Socorro
  • Sud Menucci
  • Vila Andrade
  • Vila Áurea Maria
  • Vila Avignon
  • Vila Brasileira
  • Vila Caputera
  • Vila Celeste
  • Vila Cidinha
  • Vila Flávio
  • Vila Horizonte
  • Vila Jafet
  • Vila Mathias
  • Vila Melchizedec
  • Vila Mogi Moderno
  • Vila Mogilar
  • Vila Nancy
  • Vila Natal
  • Vila Nova Aparecida
  • Vila Nova União
  • Vila Oliveira
  • Vila Oroxó
  • Vila Partênio
  • Vila Pauliceia
  • Vila Pomar
  • Vila Ressaca
  • Vila Rubens
  • Vila São Francisco
  • Vila São João
  • Vila São Paulo
  • Vila São Sebastião
  • Vila Sarah Avignon
  • Vila Socorro Velho
  • Vila Suíssa
  • Vila Victória

Fonte: Prefeitura de Mogi das Cruzes

Obras elevarão a 90% a coleta e o tratamento de esgoto em Jundiapeba

A Prefeitura iniciou a preparação do terreno para construção de uma nova Estação Elevatória de Esgotos na Vila Nova Jundiapeba. É o início das obras de esgotamento sanitário no bairro, que além da estação, incluirão assentamento de 15 quilômetros de redes, 1.760 metros de coletor-tronco e 1.240 metros de linha de recalque (bombeamento). O investimento será de R$ 9.534.043,37, com recursos do Governo Federal. O projeto representará um aumento de 6,9% no volume de esgoto tratado na cidade, passando dos atuais 61% para 67,9%. Especificamente em Jundiapeba e Nova Jundiapeba, o índice será superior a 90%, tanto coleta quanto tratamento. A previsão é concluir os trabalhos em 2021.

No ano 2000, o município tratava apenas 0,5% do esgoto coletado. Isso passou a mudar a partir de 2008, com a inauguração da Estação de Tratamento Leste, em Cezar de Souza. Desde então, alcançamos avanços históricos e chegamos aos atuais 61%, índice que será ampliado com as novas obras”, afirma o prefeito Marcus Melo.

Investimento é de R$ 9,5 milhões para construção de estação elevatória, assentamento de redes coletoras e de bombeamento e coletor-tronco. Foto: Divulgação

Os 15 quilômetros de redes vão abranger 26 vias. A população atendida será de 8 mil pessoas.

Além dessa obra, a Prefeitura e o Serviço Municipal de Águas e Esgotos (Semae) investem em outras frentes para ampliar os índices de coleta e tratamento na cidade. Está em fase final a implantação de um sistema de coleta, condução e tratamento de esgoto em Sabaúna.

O investimento é de R$ 3,2 milhões na construção de uma Estação de Tratamento de Esgoto, rede e três estações de bombeamento, todas na Vila Andrade, área central do Distrito. A capacidade de tratamento é de 9 litros por segundo para atender uma população de 4.000 pessoas.

A autarquia também está investindo mais de R$ 3 milhões na reforma e modernização da Estação Elevatória de Esgoto Indonésia. Serão feitas readequações estruturais, obras civis e melhorias nos sistemas elétrico, hidráulico e mecânico.

Como já adotado em outras três elevatórias recém-modernizadas, o Semae passará a utilizar uma tecnologia inovadora para o bombeamento de efluentes, até a estação de tratamento, com bombas que ficam na superfície, facilitando a operação e a manutenção, e um triturador para evitar que materiais sólidos lançados irregularmente na rede comprometam a operação. A Indonésia é a principal estação de bombeamento de esgotos de Jundiapeba.

A autarquia também está elaborando projetos executivos para sistemas de esgotamento sanitário em núcleos isolados: Biritiba Ussu, Chácara Guanabara, Jardim Nove de Julho, Parque São Martinho, Parque Varinhas, Quatinga, Taiaçupeba e Vila Mathias (Sabaúna). O investimento nos projetos é de R$ 5,7 milhões. Após a conclusão, o Semae buscará recursos para as obras.

Já as obras de esgotamento sanitário do Botujuru e Cezar de Souza chegam a 60% de execução e devem ser concluídas em 2020. É a maior obra de coleta e tratamento de esgoto em andamento na cidade, com um investimento de R$ 26 milhões. No total, serão implantados 45 quilômetros de redes de esgoto, 2.760 ligações prediais, 3.500 novas ligações prediais ao término da obra, 6 Estações Elevatórias de Esgoto (EEE), 4.000 metros de linhas de recalque (bombeamento) e 4.500 metros de coletores-tronco.

Fonte: Prefeitura de Mogi das Cruzes

Novos reservatórios atenderão 61 mil pessoas em Jundiapeba e região da Vila Oroxó

O prefeito Marcus Melo vistoriou, na manhã desta quinta-feira, 24/10/2019, as obras de instalação dos reservatórios que irão compor o Sistema de Abastecimento de Água (SAA) Vila Oroxó. São duas caixas d’água com capacidade para 2 milhões de litros cada, erguidas na Via Benedito Ferreira Lopes e que atenderão 16 mil moradores. Os bairros beneficiados são a Vila Oroxó, Jardim Maricá, Rodeio, Bella Cittá, Residencial Itapeti, Jardim Aracy, Ponte Grande e Jardim Náutico. Também participaram da vistoria o vice-prefeito Juliano Abe e o diretor-geral do Semae, Glauco Luiz Silva.

A obra faz parte de um pacote de investimentos que inclui o Sistema de Abastecimento Jundiapeba, que terá um reservatório de 7 milhões de litros, numa área entre as avenidas Anchieta e Francisco Ferreira Lopes, no bairro Vila Cardoso, em Braz Cubas, onde a Prefeitura e o Semae estão construindo a base do reservatório. Serão 45 mil pessoas beneficiadas (em Jundiapeba e Nova Jundiapeba).

Os complexos atenderão, juntos, 61 mil pessoas. O investimento na primeira e segunda etapas é de R$ 9,8 milhões, sendo R$ 7,6 milhões nos reservatórios (R$ 4,1 milhões no Oroxó e R$ 3,5 milhões em Jundiapeba) e R$ 2,2 milhões para a construção das bases. As próximas etapas estão em fase de projeto.

A construção destes dois sistemas integram o Plano Municipal de Abastecimento de Água. Os reservatórios funcionarão como ‘pulmões’. Eles permanecerão cheios, principalmente no período noturno, quando o consumo diminui. Em situações em que houver necessidade de paralisações no fornecimento de água, para alguma manutenção, por exemplo, o abastecimento pode prosseguir com o uso dos reservatórios”, explicou o prefeito.

Os bairros beneficiados com os novos sistemas já são atendidos atualmente com abastecimento de água. Além da melhoria do serviço, o objetivo das obras é ter uma estrutura preparada para o crescimento populacional da cidade.

Além da demanda atual, os dois sistemas estarão prontos para abastecer uma população de até 145 mil pessoas (previsão para 2046), sendo 52 mil pelo SAA Jundiapeba e 93 mil pelo SAA Oroxó.

Muitas pessoas hoje procuram morar em Mogi das Cruzes pela estrutura que a cidade oferece em educação, saúde, segurança, e na qualidade de vida como um todo. Com essas obras, vamos suprir também a demanda futura”, conclui o prefeito.

A previsão é concluir as estruturas do Oroxó e de Jundiapeba no primeiro semestre de 2020.

Na área de abastecimento de água, também estão em andamento a construção do Centro de Reservação da Vila Moraes, Sistema Chácara Guanabara, reforma e modernização da Estação de Captação e construção de estação elevatória e rede de bombeamento no Botujuru.

Fonte: Prefeitura de Mogi das Cruzes