CPTM apresenta à Prefeitura projetos para novas estações Mogi e Estudantes

O prefeito Marco Bertaiolli recebeu nesta quinta-feira, 14/11/2013, representantes da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), que apresentaram os projetos para a construção das novas estações Mogi das Cruzes e Estudantes. As obras terão investimento de R$ 70 milhões e a previsão é que os serviços comecem até março de 2014.

Além disso, logo após o início das obras, a CPTM deverá iniciar a contratação do projeto básico para as novas estações Braz Cubas e Jundiapeba. Atualmente, a companhia está desenvolvendo o projeto funcional para das estações. Este documento é o “primeiro contato” das novas estruturas com o entorno e vão estabelecer os acessos e como as estruturas se encaixarão no meio urbano.

novas-estacoes
Investimento será de R$ 70 milhões e obras começam até março. Foto: Ney Sarmento

Os projetos das novas estações estão muito bonitos, permitindo toda a acessibilidade e mobilidade urbana, inclusive com a integração com os terminais de ônibus, o que trará conforto para os usuários”, analisou Bertaiolli.

Os projetos agora serão analisados pelas equipes técnicas das Secretarias Municipais de Planejamento e Urbanismo e de Transportes, que farão os apontamentos das necessidades do município. Este material será apresentado em uma nova reunião, desta vez em São Paulo, que será agendada para até o final deste mês.

De acordo com os projetos apresentados pela CPTM, as duas estações terão acessibilidade universal e os acessos contarão com escadas rolantes, escadas convencionais e elevadores. Além disso, a ligação entre os dois lados da linha férrea permanecerá aberta para o uso dos pedestres 24 horas por dia, independente do horário de funcionamento das estações.

Além disso, a capacidade de atendimento das novas estações foi projetada para atender a demanda de passageiros prevista para 2025, contemplando o crescimento na utilização do serviço.

Projetos

Na Estudantes, o projeto prevê que a estação seja subterrânea, com entrada principal pela Rua Oito de Junho, ao lado do Terminal Rodoviário Geraldo Scavone. Além disso, haverá uma passagem subterrânea ligando a nova estação ao Terminal Estudantes de ônibus. As plataformas, que ficarão no nível atual da linha férrea também serão cobertas e o projeto prevê um bicicletário com 200 vagas.

Já a Estação Mogi das Cruzes será deslocada de sua localização atual para o alinhamento com o Terminal Central. A mudança é necessária para que a Prefeitura possa construir a passagem subterrânea na Praça Sacadura Cabral, que faz parte do projeto Novo Centro.

novo-centro
Obras estruturantes previstas no projeto ‘Novo Centro’

A estrutura da nova estação será construída em um mezanino e terá ligação com o terminal de ônibus por meio de uma passarela. No nível da atual linha férrea estarão as plataformas e um espaço específico para o Expresso Turístico, que terá uma estrutura independente, com acesso à nova praça que será formada com a passagem subterrânea.

Para garantir o acesso dos passageiros, serão construídos um estacionamento e bicicletários, com capacidade para armazenar 600 bicicletas.

Fonte: Prefeitura de Mogi das Cruzes

Alto Tietê receberá dois hotéis econômicos da bandeira Super 8

O Grupo HotelPar, master desenvolvedor da marca Super 8 no Brasil, a construtora Ladeira Miranda e a Extra Investimentos anunciam aporte de R$ 198 milhões na construção de 18 hotéis econômicos da marca Super 8 no Estado de São Paulo. Até o momento 13 cidades já foram escolhidas para receber os hotéis. O Alto Tietê e o Vale do Paraíba serão os principais destinos dos novos empreendimentos: Aparecida, Caçapava, Cachoeira Paulista, Caraguatatuba, Cruzeiro, Guaratinguetá, Jacareí, Lorena, Mogi das Cruzes, Pindamonhangaba, São José dos Campos, Suzano e Taubaté.

Pertencente ao maior grupo hoteleiro do mundo, a norte-americana Wyndham, o Super 8 irá gerar cerca de 2 mil empregos diretos e indiretos a partir de 2016, quando os empreendimentos começarão a receber os primeiros hóspedes.

Super8

Com o apoio da Investe São Paulo – Agência Paulista de Promoção de Investimentos e Competitividade, órgão vinculado à Secretaria estadual de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia, a companhia obteve auxílio na obtenção de informações setoriais e das regionais do Estado de São Paulo, que permitiram a empresa escolher os municípios que receberão os novos hotéis.

De acordo com o presidente do Grupo HotelPar, Dan Fonseca, os hotéis serão instalados próximo a estradas, com foco nas pessoas que viajam de carro a turismo ou negócios e programam a parada para dormir no caminho. “O anúncio dos novos empreendimentos fortalece o nosso pipeline e a proposta de valor da HotelPar e de seus parceiros, além de melhorar a oferta hoteleira e dar continuidade aos planos de crescimento do Wyndham Hotel Group para o Brasil”, explica.

Cada unidade receberá cerca de R$ 11 milhões em investimentos e deverá gerar cerca de 18 empregos diretos e 90 indiretos por hotel quando estiver em funcionamento. O presidente da Investe São Paulo, Luciano Almeida, afirma que o investimento deixará um legado na economia dos municípios escolhidos. “Além da demanda por mão de obra e suprimentos durante a fase de construção, a presença de novos empreendimentos no setor hoteleiro estimula o fluxo de pessoas, a realização de novos negócios e o comércio local”, ressalta.

Para o secretário de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia, Rodrigo Garcia, a região tem potencial para crescer nos próximos anos. “O Vale do Paraíba conta com uma localização estratégica ligando São Paulo ao Rio de Janeiro. Os novos empreendimentos contribuirão para o desenvolvimento turístico e econômico da região, além de fortalecer ainda mais o estado paulista como destino de negócios”, destaca.

Com os 18 empreendimentos anunciados para o Estado de São Paulo, o Grupo HotelPar conta agora com 85 projetos em carteira.

Sobre o Super 8:

Criado em 1974 nos Estados Unidos, o Super 8 é a marca de segmento econômico da Wyndham Hotel Group, maior rede de hospedagem do mundo, com 2.329 hotéis, espalhados pela América do Norte e Ásia. No Brasil, a marca segue um projeto arquitetônico único com cada Super 8, tendo 100 apartamentos de 16,2m² (sendo oito com acessibilidade), equipados com TV de tela plana 32″ com canais a cabo, ar condicionado, internet wi-fi e estacionamento gratuitos. O projeto arquitetônico da marca Super 8 é assinado pela Gensler, uma das maiores empresas de arquitetura do mundo.

Sobre o Grupo HotelPar:

O Grupo HotelPar controla as empresas EmCorp e Brainn, atuando no mercado hoteleiro e no desenvolvimento imobiliário na gestão dos hotéis. É master desenvolvedor da marca Super 8 no Brasil, pertencente ao Wyndham Hotel Group. Junto a investidores, o HotelPar será responsável pela construção de 200 hotéis Super 8 no País, nos próximos 10 anos, com um investimento de aproximadamente R$ 2,2 bilhões.

Sobre a Investe São Paulo:

A Investe São Paulo é a porta de entrada das empresas que pretendem se instalar no Estado ou investir na expansão dos seus empreendimentos. A agência fornece, gratuitamente, informações estratégicas que ajudam os investidores a encontrar os melhores locais para os seus negócios e facilita o contato das empresas com órgãos públicos e privados.

Estão ainda entre as atribuições da Investe São Paulo recepcionar delegações estrangeiras, apresentar as oportunidades de investimento no Estado, prospectar novos negócios e disponibilizar informações que contribuam para o desenvolvimento de São Paulo, além de promover a imagem do Estado no Brasil e no exterior como destino de investimentos.

Fonte: Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia

Distrito do Taboão receberá Terminal Multimodal da MTO Logística

O prefeito Marco Bertaiolli assinou, na tarde desta quarta-feira (12/06/2013), um protocolo de intenções com a empresa MTO Logística, para a construção, no distrito do Taboão, de um Terminal Multimodal. O empreendimento, que deve entrar em operação no primeiro semestre de 2015, atingindo sua capacidade máxima no ano de 2020, será um terminal rodo-ferroviário, composto de pátio de contêineres, armazéns e centro de serviços e escritórios. Na prática, ele é uma alternativa para o transporte de cargas, que hoje ainda é feito majoritariamente pela malha viária.

No terminal, as empresas podem fazer o embarque e desembarque de suas cargas, que posteriormente serão levadas via linha férrea até o destino final. Isso representa uma melhoria de logística, diminuição de custos e até uma maior sustentabilidade, já que o transporte férreo emite muito menos gás carbônico do que o viário, por meio de caminhões. Além disso, há um desafogo considerável ao utilizar a malha ferroviária – apenas um trem de contêineres da empresa é capaz de retirar 140 caminhões das estradas.

O terminal de Mogi será interligado com o da cidade de Queimados, no Rio de Janeiro, que ainda será construído. Todos os dias haverá três partidas diárias de cada um dos pontos, com as cargas determinadas. A logística, que funciona no eixo São Paulo – Rio de Janeiro, conecta as indústrias aos mercados consumidores das duas maiores regiões metropolitanas do país. Serve também para operações de exportação e importação, armazenagem de cargas, coleta e distribuição rodoviária.

terminal-multimodal
Assinatura protocolo de intenções com a MTO Logística. Foto: Ney Sarmento

Para a construção do empreendimento, a empresa adquiriu três áreas contíguas na região Sul do distrito do Taboão, que unidas somam 400 mil metros quadrados. Uma vez lá instalada, a MTO será a maior de todo o distrito em área ocupada e a terceira maior geradora de empregos diretos em todo o parque industrial. A expectativa é de que sejam gerados cerca de mil empregos, sendo 200 diretos.

O investimento da empresa, considerando todo o plano de expansão, é de R$ 250 milhões, sendo R$ 190 milhões exclusivamente para a unidade de Mogi das Cruzes. Uma vez instalado, o Terminal Multimodal servirá como um importante atrativo para indústrias no Taboão, que poderão ter ali mesmo um centro para armazenagem, controle de estoque, e a logística favorecida para transporte de carga. Além disso, só a MTO deve gerar ao município R$ 2 milhões em ISS e R$ 43 milhões em ICMS anualmente.

Para facilitar a vinda da empresa, a Prefeitura se comprometeu, via protocolo de intenções, empregar celeridade no processo de avaliação e emissão de licenciamento ambiental, além de elaborar estudos técnicos que viabilizem incentivos fiscais, tais como isenção de ISS, pagamento de taxas previstas no Código Tributário Municipal e isenção de pagamento de IPTU no período de construção e também pelos dez primeiros anos de operação do Terminal.

Além disso, o município se compromete a buscar, junto aos governos estadual e federal, recursos para a construção das alças de acesso entre a Rodovia Mogi-Dutra (SP-88) ao Terminal Multimodal. A empresa, por sua vez, compromete-se a elaborar e apresentar os projetos executivos para dos elementos viários. Também garante que auxiliará na atração de indústrias para a região e implantar toda a infraestrutura necessária, observando elevados padrões de qualidade técnica e de respeito ao meio ambiente. Também será preciso unir forças para a implantação da infraestrutura básica do local, como redes de água e esgoto.

Em Mogi, a área total é de 400 mil m², sendo 90 mil m² para o armazém e 35 mil m² para o pátio. Os segmentos-alvo da MTO, que podem fazer uso do Terminal Multimodal, são linha branca, linha marrom, eletroportáteis, higiene e limpeza, alimentos, bebidas, têxteis, bazar, papelaria, material de construção, petroquímico, óleo e gás, farmaceûtico, fumo e automobilístico.

A MTO chega para ser a maior empresa em área ocupada em todo o Taboão e ela terá um importante papel. Primeiro porque ela está se instalando na área sul do distrito, um local onde tínhamos dificuldade para desenvolver. E segundo porque ela chegando, naturalmente muitas outras indústrias serão atraídas, justamente para poder utilizar o que ela oferece. Isso sem contar que trata-se de uma tecnologia de ponta, algo que realmente serve de modelo, portanto isso coloca Mogi nos mais altos patamares de desenvolvimento e logística do país”, declarou o prefeito, Marco Bertaiolli.

O diretor presidente da empresa, André Chiarini e o diretor administrativo e financeiro, Vinícius Patel, explicaram o porquê da escolha de Mogi das Cruzes. “Investimos muito tempo na seleção do local ideal para implantarmos o Terminal, e Mogi se destacou por muitos motivos. A própria localização estratégica contribuiu bastante, mas um dos fatores determinantes foi também a proatividade da Prefeitura e dos secretários, que foram favoráveis ao empreendimento desde o princípio e fizeram tudo dentro de suas capacidades para viabilizá-lo”, pontuou Patel.

Fonte: Prefeitura de Mogi das Cruzes

Prefeitura assina parceria para instalação de usina de incineração de lixo

O prefeito Marco Bertaiolli assinou, nesta terça-feira (24/04/2012), o primeiro documento que coloca Mogi das Cruzes na vanguarda no que diz respeito ao tratamento e disposição final dos resíduos sólidos, enterrando por definitivo qualquer risco de a região de Mogi das Cruzes receber um aterro sanitário. O melhor e mais adequado tipo de empreendimento será definido pela Sabesp. A reunião que estabelece esta parceria ocorreu no Palácio dos Bandeirantes e contou com a presença do vice-governador, Guilherme Afif Domingos, e dos prefeitos de Arujá, Biritiba Mirim, Guararema e Salesópolis, que também farão parte deste consórcio.

Participamos hoje de uma reunião histórica. A questão da destinação dos resíduos sólidos vem sendo discutida há muito tempo na região e hoje assinamos uma parceria com a Sabesp que colocará a região do Alto Tietê na vanguarda desta área, com a implantação de tecnologia moderna e uma destinação ambientalmente correta”, afirmou Bertaiolli logo após a reunião.

Entre as propostas a serem analisadas, destaca-se a usina de incineração e geração de energia, um modelo mais moderno, avançado e de menor custo até mesmo que um aterro. Debatido e reivindicado por mais de 20 anos, a solução definitiva para a coleta. A Sabesp será a encarregada de elaborar o estudo final de viabilidade e a modelagem completa de unidade para o tratamento e a disposição final de resíduos sólidos urbanos, utilizando tecnologia com garantia de desempenho e operação comprovada.

Foto: Ney Sarmento

Esta é a solução para um problema que vem se arrastando por mais de 20 anos. Somos um pólo de região, um município responsável pelo armazenamento e abastecimento de águas da Região Metropolitana do Estado de São Paulo. Portanto, temos a obrigação de buscar com responsabilidade a solução definitiva para o tratamento dos resíduos”, destaca Bertaiolli, responsável pela aglutinação dos cinco municípios do Alto Tietê no consórcio, um modelo que também pode ser considerado pioneiro quando o assunto é resíduo sólido.

A presidente da Sabesp, Dilma Pena, e o secretário estadual de Saneamento e Recursos Hídricos, Edson Giriboni, participaram da reunião desta terça-feira e destacaram a importância do documento firmado entre as prefeituras e o Estado. Dilma Pena lembrou que a Sabesp vem realizando pesquisas sobre o que há de mais moderno no mundo no setor de destinação de resíduos sólidos. Já Giriboni classificou a parceria com os cinco municípios como “pioneira”.

Estas cinco cidades saem na frente, são um modelo pioneiro de algo que trará a tecnologia mais avançada na área. É um pioneirismo que poderá servir de modelo para todo o Estado”, frisou Giriboni.

Buscar soluções regionalizadas e que ultrapassem as fronteiras de Mogi das Cruzes torna-se um desafio cada vez mais premente, já que a cidade se transformou num importante pólo regional e um das mais importantes municípios da Região Metropolitana de São Paulo.

Estamos ultrapassando a marca de mais de 1,5 milhão de pessoas com as fronteiras praticamente encostadas na Capital, portanto, os assuntos devem ser discutidos de forma regionalizada, sempre de forma responsável, visando o desenvolvimento sustentável e uma postura de estar à frente dos problemas de forma transparente e responsável”.

Fonte: Prefeitura de Mogi das Cruzes

Mogi das Cruzes receberá condomínio que formará o maior pólo industrial da cidade

O prefeito Marco Bertaiolli entregou, na tarde desta terça-feira, 17/01/2012, o alvará de construção de um grande empreendimento que se transformará no maior pólo industrial de Mogi das Cruzes. Trata-se de um novo condomínio industrial, que será erguido em uma área de 500 mil metros quadrados do bairro Chácara Guanabara, muito próxima ao distrito do Taboão, à divisa com Guararema e às margens da Rodovia Presidente Dutra. A área em questão é de propriedade da Walled Incorporada, da família Gozzi, que é a responsável por todo o investimento, e terá capacidade para abrigar até 20 indústrias de grande porte.

Há mais de três anos, a Prefeitura de Mogi e os empresários donos da área vêm trabalhando juntos para desburocratizar e viabilizar o terreno para a obra, já que havia no local uma série de empecilhos administrativos, fiscais e até ambientais. Um deles era o fato de o local ter dupla tributação, tanto de Mogi das Cruzes como de Guararema, por estar localizado na divisa entre um e outro município. Graças ao trabalho de Secretarias Municipais diversas, os entraves foram vencidos e as obras do condomínio terão início quase imediato. A previsão é que no máximo em fevereiro os blocos comecem a ser erguidos.

O projeto, conforme apresentou o responsável pela incorporadora, José Gozzi, contempla a instalação de quatro blocos, com dimensões diferenciadas e que poderão ser destinadas para atividades logísticas e indústrias. O condomínio como um todo terá 1.710 vagas para estacionamento de carretas, caminhões e veículos urbanos e uma portaria com identificação eletrônica por GPS. A área de construção em si será de 273 mil metros quadrados, portanto sobrarão 111 mil metros quadrados de área permeável e 64 mil metros quadrados de área jardinada.

Veja aqui a apresentação do projeto

O bloco 1 terá 2.500 metros quadrados de área e poderá ser destinado a uma indústria só, ou pode ser modulado para abrigar mais de uma companhia. O bloco 2 terá entre 95 e 97 mil metros quadrados, e terá o mesmo tipo de flexibilidade quanto á utilização. Já o 3 e o 4 serão um pouco menores.

Gozzi garantiu que, somente com as empresas já cadastradas e que podem, logo, se instalar no novo condomínio, já se projeta a criação de 10 a 15 mil empregos. “Isso sem a instalação de indústrias. Há empresas nacionais e multinacionais que já demonstraram interesse em instalar suas atividades nos nossos condomínios. Algumas são empresas que já existem em Mogi e querem passar por uma ampliação e outras são empresas de fora, que se interessaram por um dos muitos atrativos do local, como, por exemplo, o fato de que o condomínio estará a 20 km do Rodoanel”.

O empresário afirmou que, com o alvará em mãos, o início das obras será praticamente imediato, e agradeceu à Prefeitura pela ajuda em todo o processo. “Quero agradecer à forma como a municipalidade conduziu o processo de aprovação. Foi um trabalho claro, limpo, ágil e que certamente trará desenvolvimento a todo o município”, concluiu.

O prefeito, Marco Bertaiolli, convidou diversos empresários e lideranças do setor para participarem da solenidade, e frisou que é importantes todos ficarem cientes do megaempreendimento que Mogi das Cruzes receberá, até por se tratar de uma excelente oportunidade de negócios. Ele lembrou ainda do árduo trabalho que foi desburocratizar e liberar o terreno para a obra, e destacou todos os benefícios que um condomínio assim trará à cidade.

Oportunidades como essa movimentam a economia. Há três anos estamos tendo conquistas na área industrial e na economia da cidade, e para os próximos anos as perspectivas são ainda melhores. Estamos hoje autorizando a construção de um condomínio logístico, que poderá comportar até 20 empresas e indústrias. É um local que já vem com saneamento, tratamento de efluentes, heliponto, acesso pela Rodovia Presidente Dutra”.

Bertaiolli acrescentou que a novidade é importante principalmente para os moradores da Chácara Guanabara, que agora terão milhares de oportunidades de emprego perto de casa e também terão uma infraestrutura de vida muito melhor.

Mogi avançou no fundo de participação do ICMS. Somos o 20º município que mais contribuiu com o ICMS e a 18ª economia paulista. No país, somos a 59ª economia. Novidades assim nos motivam a continuar investindo e continuar trabalhando para simplificar a vida daqueles que querem trabalhar e gerar emprego em Mogi de forma livre e desimpedida. Esse é o nosso papel e a nossa missão”, acrescentou.

O novo condomínio industrial requereu investimento de cerca de R$ 600 milhões, arcados pela empresa proprietária. Ele fica no quilômetro 183 da Rodovia Presidente Dutra, no número 5.200, e também terá entrada pelo número 777 da Rua Mônaco. A área, exatamente na ponta norte do município, era um local que a Prefeitura vinha tentando desenvolver há muitos anos.

Fonte: Prefeitura de Mogi das Cruzes