Prefeitura e AEAMC discutem melhorias para a Av. Engenheiro Miguel Gemma

Técnicos da Prefeitura de Mogi das Cruzes e da Associação dos Engenheiros, Arquitetos e Agrônomos de Mogi das Cruzes (AEAMC) vão discutir soluções para a melhoria da avenida Engenheiro Miguel Gemma. A medida foi anunciada nesta quarta-feira, 22/01/2020, durante visita do prefeito Marcus Melo à via, que faz a ligação do município com a rodovia Mogi-Salesópolis.

É um trabalho conjunto para que possamos analisar o projeto, definir as prioridades, os locais mais críticos e o que precisa ser feito. Vemos que a faixa sentido Biritiba-Mogi, que está mais perto do rio, é mais prejudicada. Queremos achar uma solução em conjunto”, destacou Marcus Melo.

O prefeito lembrou que a administração municipal já protocolou junto ao Governo Federal uma solicitação de recursos para a recuperação completa dos dois quilômetros da avenida, com investimento estimado de R$ 26 milhões. O projeto prevê a substituição da base da via, intervenções de drenagem, pavimentação, sinalização e iluminação.

Prefeito destacou a importância das discussões com a Associação de Engenheiros, Arquitetos e Agrônomos para buscar uma solução para a avenida. Foto: Ney Sarmento/PMMC

Estamos buscando estes recursos para que o problema seja resolvido como um todo. Mas como não temos ainda a previsão sobre a liberação, vamos discutir para dividir a solução em partes, que podem ser executadas com recursos da Prefeitura ou por meio de emendas parlamentares”, disse o prefeito.

Uma reunião entre representantes da AEAMC e os técnicos da Secretaria Municipal de Obras será agendada para dar início às discussões e análises.

Vamos levantar as partes mais prejudicadas, o que tem de mais grave e ver o que pode ser feito. A ideia é avaliar os locais que estão piores”, disse o presidente da entidade, Nelson Bettoi Batalha Neto, que esteve na visita ao lado do diretor Mauro Rossi.

A Prefeitura de Mogi das Cruzes vem realizando ações que buscam a melhoria da avenida Engenheiro Miguel Gemma. A Secretaria Municipal de Transportes está revitalizando a sinalização horizontal da via, inclusive com uma nova pintura na ciclovia. Já a Secretaria Municipal de Serviços Urbanos está fazendo a limpeza do local, com corte de mato.

Nesta quarta-feira, a empresa responsável pela iluminação pública na cidade inicia uma revisão no serviço existente na via. A avenida Engenheiro Miguel Gemma é uma das entradas e saídas da cidade que receberam iluminação de LED, com lâmpadas mais eficientes e econômicas.

Outro trabalho que é desenvolvido rotineiramente é a manutenção do asfalto, com a Operação Tapa-Buraco.

Também participaram da visita os vereadores José Francimário Vieira de Macedo, o Farofa, e Protássio Nogueira, além dos secretários municipais de Obras, Thiago Takeuchi de Oliveira, de Transportes, José Luiz Freire de Almeida, e de Serviços Urbanos, Dirceu Lorena de Meira.

Fonte: Prefeitura de Mogi das Cruzes

Obras elevarão a 90% a coleta e o tratamento de esgoto em Jundiapeba

A Prefeitura iniciou a preparação do terreno para construção de uma nova Estação Elevatória de Esgotos na Vila Nova Jundiapeba. É o início das obras de esgotamento sanitário no bairro, que além da estação, incluirão assentamento de 15 quilômetros de redes, 1.760 metros de coletor-tronco e 1.240 metros de linha de recalque (bombeamento). O investimento será de R$ 9.534.043,37, com recursos do Governo Federal. O projeto representará um aumento de 6,9% no volume de esgoto tratado na cidade, passando dos atuais 61% para 67,9%. Especificamente em Jundiapeba e Nova Jundiapeba, o índice será superior a 90%, tanto coleta quanto tratamento. A previsão é concluir os trabalhos em 2021.

No ano 2000, o município tratava apenas 0,5% do esgoto coletado. Isso passou a mudar a partir de 2008, com a inauguração da Estação de Tratamento Leste, em Cezar de Souza. Desde então, alcançamos avanços históricos e chegamos aos atuais 61%, índice que será ampliado com as novas obras”, afirma o prefeito Marcus Melo.

Investimento é de R$ 9,5 milhões para construção de estação elevatória, assentamento de redes coletoras e de bombeamento e coletor-tronco. Foto: Divulgação

Os 15 quilômetros de redes vão abranger 26 vias. A população atendida será de 8 mil pessoas.

Além dessa obra, a Prefeitura e o Serviço Municipal de Águas e Esgotos (Semae) investem em outras frentes para ampliar os índices de coleta e tratamento na cidade. Está em fase final a implantação de um sistema de coleta, condução e tratamento de esgoto em Sabaúna.

O investimento é de R$ 3,2 milhões na construção de uma Estação de Tratamento de Esgoto, rede e três estações de bombeamento, todas na Vila Andrade, área central do Distrito. A capacidade de tratamento é de 9 litros por segundo para atender uma população de 4.000 pessoas.

A autarquia também está investindo mais de R$ 3 milhões na reforma e modernização da Estação Elevatória de Esgoto Indonésia. Serão feitas readequações estruturais, obras civis e melhorias nos sistemas elétrico, hidráulico e mecânico.

Como já adotado em outras três elevatórias recém-modernizadas, o Semae passará a utilizar uma tecnologia inovadora para o bombeamento de efluentes, até a estação de tratamento, com bombas que ficam na superfície, facilitando a operação e a manutenção, e um triturador para evitar que materiais sólidos lançados irregularmente na rede comprometam a operação. A Indonésia é a principal estação de bombeamento de esgotos de Jundiapeba.

A autarquia também está elaborando projetos executivos para sistemas de esgotamento sanitário em núcleos isolados: Biritiba Ussu, Chácara Guanabara, Jardim Nove de Julho, Parque São Martinho, Parque Varinhas, Quatinga, Taiaçupeba e Vila Mathias (Sabaúna). O investimento nos projetos é de R$ 5,7 milhões. Após a conclusão, o Semae buscará recursos para as obras.

Já as obras de esgotamento sanitário do Botujuru e Cezar de Souza chegam a 60% de execução e devem ser concluídas em 2020. É a maior obra de coleta e tratamento de esgoto em andamento na cidade, com um investimento de R$ 26 milhões. No total, serão implantados 45 quilômetros de redes de esgoto, 2.760 ligações prediais, 3.500 novas ligações prediais ao término da obra, 6 Estações Elevatórias de Esgoto (EEE), 4.000 metros de linhas de recalque (bombeamento) e 4.500 metros de coletores-tronco.

Fonte: Prefeitura de Mogi das Cruzes

Ocupação da área do Centro Esportivo do Socorro pelo Sesc terá início em 2020

O prefeito Marcus Melo se reuniu com o presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), Abram Szajman e com o diretor regional do Serviço Social do Comércio em São Paulo (Sesc SP), Danilo Miranda, na sede da Federação, em São Paulo. Durante o encontro, Miranda explicou que o processo referente à instalação de uma unidade do Sesc em Mogi das Cruzes está com o departamento nacional da entidade e a expectativa é que, até o final deste ano, ele seja aprovado.

Segundo o diretor regional do Sesc, uma vez com a escritura da área em mãos, a intenção do Sesc é traçar um plano inicial para a ocupação da área do Centro Esportivo do Socorro. Havendo aprovação por parte do conselho nacional do Sesc ainda neste ano, a movimentação em torno dessa ocupação já deve acontecer no início de 2020.

Viemos aqui justamente para verificar como está o andamento do processo, porque a ansiedade é grande para a vinda do Sesc. Sabemos que a construção do prédio da unidade definitiva é uma etapa mais demorada, mas a unidade provisória queríamos poder trazer o quanto antes”, destacou o prefeito, lembrando ainda que no próximo ano Mogi das Cruzes completará 460 anos, portanto o Sesc serviria como um grande presente para a cidade.

Em reunião com o presidente do Fecomércio, Abram Szajman e o direto regional do Sesc, Danilo Miranda, prefeito falou sobre a expectativa em torno da vinda de um Sesc para Mogi. Foto: Ney Sarmento/PMMC

Szajman lembrou que a vinda de um Sesc para Mogi sempre foi uma vontade da entidade, condicionada unicamente à oferta de uma área, o que agora enfim se concretizou. Lembrou ainda de Airton Nogueira, saudoso presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Mogi das Cruzes e Região (Sincomércio), que sempre lutou pela vinda de um Sesc para a cidade.

O secretário municipal de Cultura e Turismo, Mateus Sartori, também participou da reunião e lembrou que a área do Centro Esportivo do Socorro já passou por uma série de vistorias por parte das equipes técnicas do Sesc, razão pela qual ele crê que, após a assinatura efetiva da doação da área, a implantação da unidade provisória não deve levar muito tempo.

Em Mogi, a última medida em prol da vinda do Sesc foi a aprovação na Câmara Municipal da doação da área do Centro Esportivo do Esportivo do Socorro ao Sesc, no início de outubro último. A princípio, a proposta era fazer a concessão de direito real de uso da área por um período de 99 anos e o processo já estava em estágio avançado, porém uma decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo fez com que o município substituísse o instrumento jurídico, de concessão para doação. Assim, o processo foi novamente submetido à aprovação popular, por meio de audiência pública e depois encaminhado à apreciação do Legislativo Municipal.

Estudos feitos pela Secretaria Municipal de Cultura e Turismo apontam que a vinda de um Sesc para Mogi das Cruzes faria com que o número de pessoas atendidas na área do Centro Esportivo do Socorro saltasse de 1.200/mês para 30 mil/mês, com mais de 700 atividades disponibilizadas não só para pessoas ligadas ao ramo do comércio, como a população de uma forma geral. Além disso, a unidade geraria cerca de 500 empregos diretos e indiretos, movimento a economia da cidade e da região. O Sesc também serviria como instrumento de experimentação de novos projetos e atividades, possibilitando um maior acesso à cultura, esporte, lazer e serviços por parte dos cidadãos mogianos.

A reunião também contou com a participação do presidente da Câmara Municipal, vereador Sadao Sakai.

Fonte: Prefeitura de Mogi das Cruzes

Novos reservatórios atenderão 61 mil pessoas em Jundiapeba e região da Vila Oroxó

O prefeito Marcus Melo vistoriou, na manhã desta quinta-feira, 24/10/2019, as obras de instalação dos reservatórios que irão compor o Sistema de Abastecimento de Água (SAA) Vila Oroxó. São duas caixas d’água com capacidade para 2 milhões de litros cada, erguidas na Via Benedito Ferreira Lopes e que atenderão 16 mil moradores. Os bairros beneficiados são a Vila Oroxó, Jardim Maricá, Rodeio, Bella Cittá, Residencial Itapeti, Jardim Aracy, Ponte Grande e Jardim Náutico. Também participaram da vistoria o vice-prefeito Juliano Abe e o diretor-geral do Semae, Glauco Luiz Silva.

A obra faz parte de um pacote de investimentos que inclui o Sistema de Abastecimento Jundiapeba, que terá um reservatório de 7 milhões de litros, numa área entre as avenidas Anchieta e Francisco Ferreira Lopes, no bairro Vila Cardoso, em Braz Cubas, onde a Prefeitura e o Semae estão construindo a base do reservatório. Serão 45 mil pessoas beneficiadas (em Jundiapeba e Nova Jundiapeba).

Os complexos atenderão, juntos, 61 mil pessoas. O investimento na primeira e segunda etapas é de R$ 9,8 milhões, sendo R$ 7,6 milhões nos reservatórios (R$ 4,1 milhões no Oroxó e R$ 3,5 milhões em Jundiapeba) e R$ 2,2 milhões para a construção das bases. As próximas etapas estão em fase de projeto.

A construção destes dois sistemas integram o Plano Municipal de Abastecimento de Água. Os reservatórios funcionarão como ‘pulmões’. Eles permanecerão cheios, principalmente no período noturno, quando o consumo diminui. Em situações em que houver necessidade de paralisações no fornecimento de água, para alguma manutenção, por exemplo, o abastecimento pode prosseguir com o uso dos reservatórios”, explicou o prefeito.

Os bairros beneficiados com os novos sistemas já são atendidos atualmente com abastecimento de água. Além da melhoria do serviço, o objetivo das obras é ter uma estrutura preparada para o crescimento populacional da cidade.

Além da demanda atual, os dois sistemas estarão prontos para abastecer uma população de até 145 mil pessoas (previsão para 2046), sendo 52 mil pelo SAA Jundiapeba e 93 mil pelo SAA Oroxó.

Muitas pessoas hoje procuram morar em Mogi das Cruzes pela estrutura que a cidade oferece em educação, saúde, segurança, e na qualidade de vida como um todo. Com essas obras, vamos suprir também a demanda futura”, conclui o prefeito.

A previsão é concluir as estruturas do Oroxó e de Jundiapeba no primeiro semestre de 2020.

Na área de abastecimento de água, também estão em andamento a construção do Centro de Reservação da Vila Moraes, Sistema Chácara Guanabara, reforma e modernização da Estação de Captação e construção de estação elevatória e rede de bombeamento no Botujuru.

Fonte: Prefeitura de Mogi das Cruzes

Lançamento da Pedra Fundamental da Maternidade Municipal acontece neste sábado, 19/10/2019

A Prefeitura de Mogi das Cruzes realiza neste sábado, 19/10/2019, às 10h00, o lançamento da Pedra Fundamental para início da construção da Maternidade Municipal, na rua Francisco Affonso de Melo, nº 550, no Distrito de Braz Cubas. A futura unidade irá dobrar a capacidade de atendimento do município para a realização de partos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e garantirá ainda mais segurança, conforto e qualidade às gestantes e bebês.

Atualização (18/10/2019): Em face da denúncia apresentada pelo prefeito Marcus Melo sobre o desvio de recursos por um funcionário público, que levou à formação de um processo administrativo interno e de uma investigação criminal por parte da Justiça – que já resultou na prisão preventiva do servidor – a Prefeitura de Mogi Cruzes informa que o lançamento das obras da Maternidade Municipal será reagendado para outra data próxima. A alteração desta data não trará prejuízo ao início ou ao andamento dos trabalhos.

A futura Maternidade Municipal terá cerca de 8 mil m² distribuídos em sete pavimentos (do subsolo ao quinto andar) e contará com 51 leitos, 10 leitos de UTI Neonatal, 10 leitos de cuidados intermediários, além da UTI Adulto, Centro Obstétrico e demais espaços especializados.

A Saúde de Mogi tem avançado muito e já é uma referência em diversos equipamentos e serviços prestados. A implantação da Maternidade Municipal é meta da Administração para suprir as necessidades de assistência às gestantes e bebês, com todos os recursos e equipamentos necessários para oferecer atendimento qualificado e humanizado”, explica o prefeito Marcus Melo.

A futura Maternidade Municipal contará com 51 leitos, 10 leitos de UTI Neonatal, 10 leitos de cuidados intermediários, dentre outros espaços especializados.

O processo de licitação teve como vencedor o Consórcio CDG/Sahliah, que executará a obra pelo prazo de 30 meses com orçamento de R$ 35,1 milhões. A concorrência entre as empresas fez o custo da obra baixar em quase R$ 15 milhões diante do valor inicialmente estimado de R$ 50 milhões.

O projeto da futura Maternidade Municipal foi elaborado pela Secretaria Municipal de Planejamento e Urbanismo em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde. Entre os espaços previstos estão a segunda unidade do Programa Mãe Mogiana, Pronto Atendimento de Obstetrícia, Berçário com Cuidados Intermediários e Intensivos (UTI), Parto Humanizado, Centro Cirúrgico, Pré-Parto e UTI Adulto, entre outros. A unidade contará com leitos para gestantes, puérperas, leitos especializados no sistema canguru, leitos para gestantes de alto risco, além de quartos para atendimento antes e depois do parto.

Atualmente, Mogi das Cruzes conta apenas com a Santa Casa para a realização de partos pelo sistema público e a unidade enfrenta constantes problemas de superlotação. Os problemas levaram à mobilização da Prefeitura que, em julho/2018, conseguiu a doação da área de 3 mil m² na rua Francisco Affonso de Melo, onde funcionou o antigo Fórum Distrital de Braz Cubas. “Com a nova Maternidade Municipal, nosso objetivo é suprir todas necessidades de assistência às gestantes e bebês, com recursos, equipamentos e equipe qualificada para o atendimento”, explica o secretário municipal de Saúde, Francisco Bezerra.

Fonte: Prefeitura de Mogi das Cruzes