🏀 Novo Basquete Brasil 2018/2019 – rodada 18

O Mogi das Cruzes/Helbor continua imparável no NBB CAIXA. Nesta segunda-feira, 21/01/2019, diante do Life Fitness/Minas, o time comandado por Guerrinha bateu a equipe mineira por 65 a 64, no Ginásio Prof. Hugo Ramos, e emplacou sua oitava vitória seguida na competição.

O NBB CAIXA é uma competição organizada pela Liga Nacional de Basquete (LNB), em parceria com a NBA, e conta com o patrocínio máster da CAIXA, os patrocínios de INFRAERO, Avianca, Nike e Penalty e os apoios de UNISAL, Açúcar Guarani, Ministério do Esporte e Governo Federal.

Com a vitória, o Mogi emplacou a oitava vitória seguida no NBB CAIXA, e agora ocupa a terceira colocação da competição – 14 vitórias em 18 jogos; 77,8% de aproveitamento. Já o Minas, que vinha de vitória, sofreu mais um revés na competição. Na oitava colocação, o time mineiro, agora, detém campanha de sete triunfos em 18 partidas – 38,9% de aproveitamento.

JP Batista foi o nome do Mogi na partida. Com um duplo-duplo de dez pontos e incríveis 22 rebotes – recorde do atleta no NBB, com 11 rebotes ofensivos e 11 defensivos -, o pivô mogiano foi essencial para o triunfo sobre a equipe mineira.

Equipe do Mogi. Foto: LNB

Já na equipe mineira, Gegê foi quem mais se destacou. Ao todo, o armador da equipe mineira foi o autor de 16 pontos na partida e foi o cestinha do time comandado por Flávio Espiga no jogo.

O nome do primeiro quarto da partida foi o armador Gegê, do Minas. Titular durante todo o período, o atleta fechou o quarto com oito pontos e, de quebra, diminuiu a vantagem do Mogi na ida para o segundo quarto (18 a 16).

Se no primeiro período, Gegê conseguiu impor um bom ritmo e diminuir a vantagem do Mogi na partida, no segundo a história foi outra. Com ótima atuação do ala Shamell, com oito pontos, e também do pivô João Pedro, com seis, o Mogi conseguiu abrir sete pontos de frente na ida para o intervalo.

Na volta do intervalo o Minas esboçou uma reação e, sem sucesso, foi para o último período seis pontos atrás no placar (53 a 47).

Já no último quarto, o jogo ficou mais emocionante do que nunca. Após ambas equipes se revezaram na liderança do resultado, o Mogi assumiu a dianteira do placar com 12 segundos para o fim. A diferença, até então, era de um ponto (65 a 64) e a equipe comandada por Guerrinha se viu sem a posse da bola e com a missão de frear uma reação do time mineiro. Como esperado, a equipe comandada por Flávio Espiga foi com tudo para o ataque, mas após o passe de Gegê ser interceptado por Arthur Pecos, do Mogi, os números finais foram decretados no confronto.

O meu papel aqui é tentar dar o meu máximo para ajudar todo mundo e, caso eu não esteja bem, é mais difícil auxiliar a minha equipe. Temos que nos concentrar um pouco mais e tentar ajudar o clube da melhor forma e, felizmente, hoje deu certo”, disse o armador Pecos, do Mogi.

Próxima parada: Agora, após mais uma vitória, o Mogi somente entrará em quadra neste sábado, 26/01, diante do Flamengo, no Ginásio Prof. Hugo Ramos, às 14h00, com transmissão da Band. Já o Minas, com o revés, irá atrás de uma recuperação no duelo com o Paulistano/Corpore, na próxima quarta-feira, 30/01, na Arena Minas Tênis Clube, às 20h00, com transmissão ao vivo no Twitter do NBB.

Fonte: Liga Nacional de Basquete

🏀 Novo Basquete Brasil 2018/2019 – rodada 14

O Mogi das Cruzes/Helbor estreou no segundo turno do NBB CAIXA com o pé direito. Em um jogo de muito equilíbrio, o time comandado por Jorge Guerra derrotou o São José Basketball, no Ginásio Prof. Hugo Ramos, por 88 a 82, e assumiu a quarta colocação do NBB CAIXA.

O NBB CAIXA é uma competição organizada pela Liga Nacional de Basquete (LNB), em parceria com a NBA, e conta com o patrocínio máster da CAIXA, os patrocínios de INFRAERO, Avianca, Nike e Penalty e os apoios de UNISAL, Açúcar Guarani, Ministério do Esporte e Governo Federal.

Com a vitória, o Mogi agora detém campanha de dez vitórias em 14 jogos e ocupa a quarta colocação na tabela de classificação do NBB CAIXA – 71,4 % de aproveitamento. Já o São José, com o revés, agora é o nono colocado, com cinco triunfos em 14 oportunidades – 35,7 % de aproveitamento.

O Mogi entrou na partida sem uma presença importante em quadra. Além dos desfalques do ala/pivô Fabricio e do pivô Zé Carlos, a equipe mogiana teve o desfalque de última hora do ala Filipin, que sofre com uma crise renal.

Mineiro, do São José e JP Batista, do Mogi. Foto: LNB

Gui Deodato foi o nome do jogo no time mogiano. Com grande atuação, principalmente no segundo tempo do jogo, o ala do Mogi teve noite de gala e foi o cestinha da partida com 22 pontos, além de distribuir 3 assistências. O pivô JP Batista, com 18 pontos e nove rebotes, o ala Shamell, com 16 pontos e seis rebotes, e o ala/pivô Gruber, com 16 pontos, nove rebotes, quatro assistências e cinco tocos, também se destacaram pelos números apresentados.

No São José o maior destaque ficou para o armador Sahdi. Com oito pontos, 15 assistências e seis rebotes, o jogador joseense foi o maior garçom da partida e ditou o ritmo ofensivo da equipe do interior paulista. Além dele, o ala/armador Pedro, com 14 pontos, terminou a partida como o cestinha do São José.

O primeiro tempo ficou marcado pela atuação de gala do experiente ala Shamell, do Mogi. O norte-americano sobrou em quadra e foi muito eficiente na tábua ofensiva, com 14 pontos em 16 minutos em quadra. Com isso, na ida para o intervalo, o placar apontava o empate, de 42 a 42.

Na volta dos vestiários, o panorama do confronto mudou, com o Mogi à frente das ações ofensivas. Com três minutos restantes para o final do terceiro quarto, a equipe mogiana vencia com oito pontos de frente, mas dali em diante o cenário mudou. O São José acordou e, com bela cesta de três pontos do ala/armador Pedro, empatou o placar.

Deodato, de muito longe: Após ambas equipes se revezaram na liderança no placar, o ala Gui Deodato, do Mogi, teve a oportunidade de chutar uma bola de 3 pontos do meio da quadra, que cirurgicamente caiu no estouro do cronômetro e deu a vantagem de quatro pontos de frente para os mogianos na ida para os dez minutos finais (64 a 60).

No último quarto do jogo, o time do Mogi comandou as ações ofensivas, com boa atuação do ala Gui Deodado, autor de 7 pontos na parcial, e venceu o confronto sem sustos, por 88 a 82.

Próxima parada: O Mogi voltará as quadras do NBB CAIXA já nesta quinta-feira, 10/01, diante do Joinville/AABJ, no Centreventos Cau Hansen, às 19h00, com transmissão ao vivo no Facebook do NBB. Já o São José medirá forças com o Life Fitness/Minas, na Arena Minas Tênis Clube, às 19h00.

Fonte: Liga Nacional de Basquete

🏀 Novo Basquete Brasil 2018/2019 – rodada 12

O Mogi das Cruzes/Helbor venceu pelo NBB CAIXA 2018/2019. Em jogo pegado, com prorrogação e final dramático, Mogi consegue virada na raça sobre o Corinthians, por 102 a 96, no Ginásio Prof. Hugo Ramos, e garantiu uma das vagas na Copa Super 8.

O NBB CAIXA é uma competição organizada pela Liga Nacional de Basquete (LNB), em parceria com a NBA, e conta com o patrocínio máster da CAIXA, os patrocínios de INFRAERO, Avianca, Nike e Penalty e os apoios de UNISAL, Açúcar Guarani, Ministério do Esporte e Governo Federal.

Com a vitória, o Mogi, quarto colocado, ficou com campanha de oito vitórias em 12 jogos (66,7% de aproveitamento) e carimbou uma vaga na Copa Super 8. Já o Corinthians, com o revés, viu a chance de se qualificar entre os oito que vão para a Copa Super 8 ficar mais longe. Com campanha de quatro triunfos em 12 partidas (33,3% de aproveitamento), o alvinegro ocupa a décima colocação do NBB CAIXA 2018/2019.

Dois jogadores dividiram o título de cestinha da partida: o pivô JP Batista, do Mogi, e o ala/pivô Giovannoni, do Corinthians. Decisivos, cada um contribuiu com 27 pontos e foram essenciais para que se concretizasse um placar tão alto após o apito final.

Além dos 27 pontos, o pivô JP Batista contribuiu com 13 rebotes, além de atingir 31 no índice de eficiência. Único jogador na partida com um duplo-duplo e o atleta com o maior índice de eficiência no jogo. Partida digna de aplausos para JP Batista.

Disputa de bola. Foto: LNB

Com um jogo muito aberto e de muitos pontos, o primeiro quarto ficou marcado pela grande atuação do pivô JP Batista, do Mogi, que liderou a equipe o time mogiano no ataque ao contribuir com 11 pontos na primeira parcial. Mesmo com essa situação, o ataque do Corinthians não decepcionou e, com boa atuação do armador norte-americano Fuller e do ala/pivô Giovannoni, ambos com seis pontos no período, conseguiu segurar o ataque do Mogi e ir para o segundo quarto com a vantagem (24 a 21).

Na volta para os dez minutos finais do primeiro tempo, a dupla Uruguaia do Corinthians, formada pelo armador Parodi, com oito pontos no período, e pelo ala Aguiar, com sete pontos na parcial, foi decisiva para o êxito do Timão no segundo quarto. Ao todo, os dois contribuíram com 15 dos 26 pontos marcados pelo Corinthians no segundo quarto, o que foi suficiente para o time alvinegro ir para o intervalo à frente no placar, mesmo após a boa atuação do ala Gui Deodato, do Mogi, com 10 pontos no período (50 a 46).

O início do terceiro quarto foi todo do Corinthians. Com o equilíbrio da rotação do elenco e o bom aproveitamento nos chutes, o time alvinegro chegou a abrir sete pontos de vantagem, mas viu essa distancia diminuir nos últimos cinco minutos da parcial. Já no último minuto da partida, o Mogi encostou no placar e reduziu a vantagem (68 a 63).

Nos dez minutos finais, o Corinthians manteve o ritmo e esteve na liderança no placar por todo o último quarto. Nos segundos finais, no momento em que o jogo estava 86 a 83, o jogo caminhava para um triunfo importante do Corinthians, mas após falta cometida pelo uruguaio Parodi sobre Arthur Pecos, o Mogi foi para a linha de lance livre com direito a dois chutes. A primeira cobrança foi convertida, mas após errar a segunda e a bola sobrar no garrafão, o pivô João Pedro, que acabará de entrar, converteu dois pontos e levou o jogo para a prorrogação.

Com a moral abalada após o final do quarto período, o Corinthians voltou mal, sofreu a virada com bola de dois pontos do armador Arthur Pecos, e não conseguiu mais retomar a dianteira. Já no final, o time mogiano uniu um bom aproveitamento ofensivo com uma forte defesa e, dessa forma, anulou qualquer chance do time do Parque São Jorge vencer o jogo.

Próxima parada: Agora o Corinthians receberá em seus domínios o Sendi/Bauru Basket, no próximo sábado, 15/12, no Ginásio Wlamir Marques, às 14h00, com transmissão ao vivo na Band. Já o Mogi, na próxima sexta-feira, 14/12, viajará para o Rio de Janeiro e medirá forças com o Vasco da Gama, no Ginásio de São Januário, com transmissão ao vivo do FoxSports.

Fonte: Liga Nacional de Basquete

🏀 Novo Basquete Brasil 2018/2019 – rodada 11

Em partida decidida nos últimos minutos, o Mogi das Cruzes/Helbor conseguiu uma vitória importantíssima. Com dois tempos bem diferentes, o time mogiano levou a melhor sobre o Joinville/AABJ, nesta quinta-feira, no Ginásio Hugo Ramos, por 81 a 67, e subiu para a quarta colocação do NBB CAIXA 2018/2019.

O NBB CAIXA é uma competição organizada pela Liga Nacional de Basquete (LNB), em parceria com a NBA, e conta com o patrocínio máster da CAIXA, os patrocínios de INFRAERO, Avianca, Nike e Penalty e os apoios de UNISAL, Açúcar Guarani, Ministério do Esporte e Governo Federal.

Com o resultado positivo, o Mogi alcançou a sétima vitória em onze jogos (63,6% de aproveitamento) e subiu para o quarto lugar. Já o Joinville, com a derrota, permanece na oitava colocação, empatado com o Vasco da Gama, quatro triunfos e seis derrotas – o time catarinense leva vantagem por ter vencido o confronto direto.

A vitória do Mogi fez a equipe subir para a quarta colocação, muito próximo de garantir uma vaga para a Copa Super 8. Mais do que isso, se o time conseguir garantir essa posição até o fim do primeiro turno, terá direito ao mando de quadra nas quartas de finais do torneio.

Mogi/Helbor x Joinville. Foto: Robson Regato

O ala/pivô Gruber teve uma grande atuação na vitória do Mogi. O jogador terminou a partida com 18 pontos, sete rebotes e cinco assistências, sem cometer nenhum erro. Todos esses números renderam 29 de eficiência, a maior marca da partida.

O cestinha da partida foi o pivô JP Batista, com 23 pontos, além de seis rebotes. O armador Arthur Pecos flertou com um triplo-duplo, com 15 pontos, dez rebotes e oito assistências, totalizando 25 de eficiência. O ala Shamell também teve uma boa atuação de 15 pontos e três assistências.

Pelo lado do Joinville, o destaque ficou com o pivô Thiago Mathias, o reboteiro do campeonato. O jogador conseguiu um duplo-duplo de 19 pontos e 11 rebotes, com 25 de eficiência. O ala/armador Anton Cook também teve boa atuação e terminou o jogo com 13 pontos e quatro assistências.

O Mogi voltará a atuar neste sábado, 08/12, contra o Corinthians, no Ginásio Hugo Ramos, às 14h00, com transmissão ao vivo da Band. Já o Joinville terá como próximo adversário o São José Basketball, também no sábado, no Ginásio Lineu de Moura, às 18h00.

Fonte: Liga Nacional de Basquete

🏀 Novo Basquete Brasil 2018/2019 – rodada 10

O Sesi Franca Basquete segue cada vez mais líder do NBB CAIXA 2018/2019. Nesta segunda-feira, 19/11/2018, o time francano contou com uma grande atuação coletiva na vitória sobre o Mogi das Cruzes/Helbor, no Ginásio Hugo Ramos, por 95 a 89, e se garantiu na liderança isolada da principal competição nacional.

O NBB CAIXA é uma competição organizada pela Liga Nacional de Basquete (LNB), em parceria com a NBA, e conta com o patrocínio máster da CAIXA, os patrocínios de INFRAERO, Avianca, Nike e Penalty e os apoios de UNISAL, Açúcar Guarani, Ministério do Esporte e Governo Federal.

Essa foi a sétima vitória consecutiva do líder Franca no campeonato, a oitava em nove partidas disputadas (88,9% de aproveitamento). O Mogi, com o resultado negativo, permanece na quinta colocação, com seis triunfos em dez jogos realizados até aqui (60% de aproveitamento).

Com grande atuação coletiva, três atletas francanos se destacaram mais na partida: o pivô Cipolini, cestinha da noite com 22 pontos, além de seis rebotes e 23 de eficiência, o ala/pivô Lucas Dias, com 18 pontos, cinco rebotes e três roubos de bola, e o armador Elinho, que terminou o jogo também com 18 pontos, mais cinco rebotes, cinco assistências e 21 de eficiência.

Elinho e Cipolini, de Franca, e Cafferata, do Mogi. Foto: LNB

Acredito que a nossa defesa poderia ter sido melhor, mas o time de Mogi possui muita qualidade e nem sempre é fácil diminuir o ímpeto ofensivo deles. Por outro lado, nosso ataque fluiu muito bem, de maneira coletiva, e anotamos 95 pontos. Foi um grande jogo e o Sesi Franca está de parabéns pela vitória”, analisou o pivô.

Além do trio destacado acima, outros dois jogadores de Franca chegaram a dígitos duplos de pontuação: o ala André Goes, que anotou 12 pontos e pegou seis rebotes, e o jovem armador Alexey, que contribuiu com 11 pontos e seis assistências.

Pelo lado do Mogi, a dupla de pivôs fez de tudo para sair com um bom resultado do Hugão, mas sem sucesso. O maior pontuador da equipe foi o ala/pivô Gruber (19 pontos), seguido pelo pivô JP Batista, que teve atuação de 17 pontos, seis rebotes, cinco assistências e 21 de eficiência.

É muito difícil a gente vencer a partida sofrendo 95 pontos. A gente, sim, tem o melhor ataque, mas uma das piores defesas, então assim fica difícil. Temos que reconhecer o mérito de Franca, que soube bem explorar as trocas na marcação, dobrando na marcação dos pivôs”, disse JP Batista.

O primeiro tempo da partida foi equilibrado, sem muita disparidade no placar. O Franca assumiu a liderança a partir da metade do primeiro quarto e permaneceu até a ida aos vestiários, embalados pela dupla de pivôs Lucas Dias e Cipolini, responsáveis por 25 dos 45 pontos da equipe na primeira metade.

Um fator que chamou a atenção na primeira etapa foram os erros de Mogi. O time comandado pelo técnico Guerrinha cometeu dez erros nos 20 minutos iniciais de partida, o que resultou em contra-ataques para Franca e permitiu ao time visitante ir para o intervalo na frente por 45 a 40.

Maestro no comando: Após terminar o primeiro tempo zerado, o armador Elinho, de Franca, voltou para a segunda etapa totalmente diferente. O “maestro” ditou o ritmo da partida, anotou dez pontos no terceiro quarto e foi um dos principais responsáveis por aumentar a diferença para 11 no início do último período (72 a 61).

O Mogi tentou voltar de vez para a partida nos dez minutos finais, principalmente com Shamell, que anotou dez pontos no período, mas não foi suficiente. O time francano, comandado pelo técnico Helinho Garcia, conseguiu impor seu ritmo com a bola na mão e fechou a partida pelo placar de 95 a 89.

Próxima parada: O Franca terá compromisso já nesta quinta-feira, 22/11, diante do São José Basketball, no Ginásio Pedrocão, em Franca (SP), às 20h45, com transmissão ao vivo no Bandsports. Já o Mogi voltará a atuar apenas dia 06 de dezembro, contra o Joinville/AABJ, no Ginásio Hugo Ramos, em Mogi das Cruzes (SP), às 20h00.

Fonte: Liga Nacional de Basquete