Vereador pede informações sobre situação das barragens e mineradoras de Mogi

Após a tragédia de Brumadinho (MG), munícipes comentaram com o vereador Diego de Amorim Martins (MDB), o Diegão, sobre a existência e as condições de segurança das barragens em Mogi das Cruzes e região do Alto Tietê, além das mineradoras da cidade, já que estima-se que em Mogi sejam, pelo menos, duas. 

Preocupado com uma possível tragédia como a de Minas Gerais, o parlamentar enviou questionamentos ao Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE) e também à Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb), para saber a real situação das barragens e mineradoras.

Vereador Diegão. Foto: CMMC

Aos órgãos competentes, Diegão perguntou sobre quantas barragens há em Mogi e região, como funciona o sistema de segurança delas e qual suas classificações de risco, pois de acordo com postagens de mogianos nas redes sociais, reportagens recentes davam conta de que duas barragens de mineração no Estado de São Paulo, sendo uma em Mogi das Cruzes e outra em Cajati, teriam nível de risco alto.

O vereador também lembrou que em 2015, quando houve o rompimento da barragem da Samarco, em Mariana (MG), a Cetesb esteve em Mogi vistoriando duas barragens – uma de granito e brita localizada no Itapeti e outra de caulim em Jundiapeba. Na ocasião, ficou constatado que ambas estavam em situação regular, com licenciamento e medidas de controle ambiental e de segurança em dia. “Porém, importante sabermos como estão hoje também e se a população pode se sentir segura, não somente com as atividades das mineradoras, mas também com o funcionamento das barragens”, afirmou Diegão.

Até o fechamento desta matéria, o vereador aguardava um retorno por parte do DAEE e da Cetesb.

Fonte: Câmara Municipal de Mogi das Cruzes

Anúncios

Governo inicia trabalhos de desassoreamento do Tietê

Neste sábado, 20/08/2016, foram iniciadas as obras de desassoreamento de 44,2 quilômetros do rio Tietê, em Mogi das Cruzes. “Estamos iniciando uma obra estruturante e importante para toda bacia do Alto Tietê, que é o desassoreamento de 44 quilômetros do rio. Com a retirada de 343 mil metros cúbicos de sujeira, limpamos o rio, aprofundamos a calha e ajudamos toda a micro e macrodrenagem da região“, explicou o governador Geraldo Alckmin, que esteve presente no início dos trabalhos responsáveis por evitar as enchentes causadas por falta de escoamento das águas dos córregos e rios que desaguam no Tietê.

O trabalho é realizado pelo DAEE (Departamento de Águas e Energia Elétrica) e inclui a remoção de aproximadamente 343 mil m³ de sedimentos (como areia, argila e materiais não inertes) e lixo depositados no fundo do canal, o que deverá contribuir para evitar inundações nos municípios beneficiados: Poá, Suzano, Itaquaquecetuba e Mogi das Cruzes. A expectativa é concluir o trecho em 18 meses. O investimento do Governo do Estado é de R$ 37,7 milhões.

Governo vai desassorear mais de 40 quilômetros do Rio Tietê, a partir de Mogi. Foto: A2img / Daniel Guimarães

O investimento do Estado no desassoreamento do Tietê é de R$ 735,8 milhões entre 2011 e 2016, quando foram removidos 10,8 milhões m³ de detritos do rio e de seus afluentes. Foram aplicados R$ 532,4 milhões no próprio Tietê, divididos entre os lotes 1, 2 e 3 (7,2 milhões m³), e mais R$ 203,4 milhões nos demais cursos d’água (3,3 milhões m³).

O Lote 1 tem 16,5 km de extensão entre a barragem Edgard de Souza e o Cebolão, pelos municípios de Santana de Parnaíba, Barueri, Carapicuíba e Osasco. Já o Lote 2, com 24,5 km em São Paulo, vai do Cebolão à barragem da Penha. Por fim, o Lote 3 tem mais 25 km na capital, entre a barragem da Penha e o córrego Três Pontes.

Em Biritiba Mirim e Salesópolis, o DAEE está investindo mais de R$ 6,5 milhões no desassoreamento de 5 quilômetros do rio Tietê (a montante do canal de adução da Sabesp para o reservatório do Biritiba) e 5 quilômetros do rio Paraitinga (a partir da foz com o rio Tietê) nos municípios de Biritiba Mirim e Salesópolis. As máquinas estão removendo 61,5 mil m³ de sedimentos nesse trecho, denominado Lote 5, que foi atingido por alagamentos em novembro de 2014. O DAEE já executou 25% do trabalho contratado no trecho.

Fonte: Portal do Governo do Estado

Curtas (01/06/2015)

Licenciamento de veículos com placa final 3

Junho é o mês para o licenciamento de veículos com placa final 3 no Estado de São Paulo. Segundo o Detran.SP (Departamento de Trânsito do Estado de São Paulo), o procedimento pode ser feito de forma presencial ou eletrônica.

Em ambos os casos é preciso fazer o pagamento da taxa de R$ 72,25 na rede bancária, inclusive via caixa eletrônico ou internet. O proprietário pode escolher retirar o documento em uma unidade do Detran ou do Poupatempo. Outra opção é receber em casa, neste caso é cobrada uma taxa de R$ 11 pela postagem.

Para que o veículo seja licenciado, não pode haver pendências, como débitos de multas, IPVA ou DPVAT ou ainda restrições judiciais ou administrativas. Para mais informações, acesse o site do Detran.SP.

Vacinação contra gripe termina nesta quarta

A campanha de vacinação contra a gripe em todo o Estado de São Paulo vai até o dia 3 de junho. A meta é imunizar 11,8 milhões de paulistas contra o vírus A H1N1 e outros dois tipos do Influenza: A (H3N2) e B. O Governo do Estado disponibiliza a vacina em mais de 6 mil postos, entre fixos e volantes, que funcionam de segunda a sexta-feira, das 8h00 às 17h00.

Produzida pelo Instituto Butantan, a dose estará disponível na rede pública para bebês a partir dos seis meses e crianças menores de cinco anos de idade. Também serão imunizados idosos a partir dos 60 anos, gestantes, puérperas (mulheres que tiveram filhos nos últimos 45 dias), indígenas, funcionários do sistema prisional e a população carcerária, além das pessoas diagnosticadas com doenças crônicas e os profissionais de saúde do Estado.

DAEE contrata desassoreamento do Tietê entre Itaquaquecetuba e Mogi

O Governo do Estado vai investir R$ 37,3 milhões no desassoreamento de mais 54,2 quilômetros do rio Tietê no trecho acima de São Paulo.

São dois trechos. O primeiro, com 44,2 quilômetros, vai do córrego Três Pontes, na divisa de São Paulo com Itaquaquecetuba, e o córrego Ipiranga, em Mogi das Cruzes. O trabalho será realizado pelo DAEE (Departamento de Águas e Energia Elétrica), autarquia vinculada à Secretaria Estadual de Saneamento e Recursos Hídricos.

O contrato prevê a remoção de 343 mil metros cúbicos de sedimentos (basicamente areia, argila e materiais não inertes) e lixo depositados no fundo do canal, o que deverá contribuir para evitar inundações nos municípios beneficiados – Itaquaquecetuba, Poá, Suzano e Mogi das Cruzes.

rio Tietê
Ação pretende reduzir o risco de inundações do Tietê entre Mogi e Itaquaquecetuba. Foto: DAEE