Coronavírus: Governo do Estado apresenta nova fase do Plano São Paulo

O Governador João Doria apresentou nesta quarta-feira, 27/05/2020, o Plano São Paulo para reabertura de setores da economia durante a quarentena de enfrentamento ao coronavírus. A partir de 1º de junho, índices de ocupação hospitalar e de evolução de casos em 17 regiões do estado vão definir cinco níveis restritivos de retomada produtiva segundo critérios médicos e epidemiológicos para que o sistema de saúde continue em pleno funcionamento.

Até o dia 31 de maio, a quarentena em São Paulo vai salvar 65 mil vidas. Abrimos sete hospitais de campanha, aumentamos em 60% o número de leitos em hospitais públicos, já temos 600 novos respiradores em operação”, afirmou o Governador. “A fase denominada retomada consciente seguirá a orientação da ciência, com dados técnicos para permitir a gradual e segura retomada”, acrescentou Doria.

O plano foi elaborado por autoridades estaduais em sintonia com especialistas do Centro de Contingência do coronavírus e do Comitê Econômico Extraordinário que atuam voluntariamente em apoio ao Estado. Os eixos principais das cinco fases de reabertura também foram discutidos com prefeitos e representantes de diversas associações comerciais e empresariais.

As normas do Estado autorizam prefeitos de cidades a conduzir e fiscalizar a flexibilização de setores segundo as características dos cenários locais. Os pré-requisitos para a retomada são adesão aos protocolos estaduais de testagem e apresentação de fundamentação científica para liberação das atividades autorizadas no Plano São Paulo.

As cinco fases do programa vão do nível máximo de restrição de atividades não essenciais (vermelho) a etapas identificadas como controle (laranja), flexibilização (amarelo), abertura parcial (verde) e normal controlado (azul). O objetivo da classificação é assegurar atendimento de saúde à população e garantir que a disseminação do coronavírus em níveis seguros para modular as ações de isolamento.

A escala será aplicada a 17 regiões distintas do território paulista, de acordo com a abrangência dos DRSs (Departamentos Regionais de Saúde), que são subordinados à Secretaria de Estado da Saúde. São os DRSs que determinam a capacidade de atendimento, transferências de pacientes e remanejamento de vagas de enfermaria e UTIs nos municípios.

As fases são determinadas pelo acompanhamento semanal da média da taxa de ocupação de leitos de UTI exclusivas para pacientes contaminados pelo coronavírus e o número de novas internações no mesmo período. Uma região só poderá passar a uma reclassificação de etapa – com restrição menor ou maior – após 14 dias do faseamento inicial, mantendo os indicadores de saúde estáveis.

Em todos os 645 municípios, a indústria e a construção civil seguem funcionando normalmente. A interdição total de espaços públicos, teatros, cinemas e eventos que geram aglomerações – festas, shows, campeonatos etc – permanece por tempo indeterminado. A retomada de aulas presenciais no setor de educação e o retorno da capacidade total das frotas de transportes seguem sem previsão.

Nenhuma das 17 regiões está na zona azul, que prevê a liberação de todas as atividades econômicas segundo protocolos sanitários definidos no Plano São Paulo (saopaulo.sp.gov.br/coronavirus/planosp). A zona verde, segunda mais ampla na escala, também não foi alcançada até o momento e permanece como meta de curto prazo para cada região.

Com exceção da capital, todos os municípios da Grande São Paulo e também da Baixada Santista e de Registro permanecem na fase vermelha e não terão nenhum tipo de mudança na quarentena em vigor desde o dia 24 de março. Nas três regiões, o sistema de saúde está pressionado por altas taxas de ocupação de UTI e avanço de casos confirmados de pacientes com coronavírus.

Panorama atual do Estado

Nas demais fases, haverá flexibilização parcial em diferentes escalas de capacidade e horário de atendimento. A etapa laranja, que abrange a capital e outras dez regiões no interior e litoral norte, prevê retomada com restrições a comércio de rua, shoppings, escritórios, concessionárias e atividades imobiliárias. Os demais serviços não essenciais continuam fechados.

Na fase amarela, haverá reabertura total de serviços imobiliários, escritórios e concessionárias segundo protocolos sanitários. Comércio de rua, shoppings e salões de beleza, além de bares, restaurantes e similares poderão funcionar com restrições de horário e fluxo de clientes.

As regiões que chegarem à fase verde poderão atenuar as restrições ao funcionamento de todos os setores da fase amarela. Academias de ginástica e centros de prática esportiva também voltarão a receber frequentadores, desde que respeitados limites de redução de atendimento e as regras sanitárias definidas para o setor.

Isolamento

O distanciamento social ainda é a principal recomendação para conter a disseminação do coronavírus. Mesmo com a reabertura em São Paulo, há exigência do isolamento social das pessoas de grupos de risco, como maiores de 55 anos, portadores de doenças cardíacas e/ou crônicas e pacientes imunodeprimidos ou em tratamento oncológico.

De acordo com Dimas Covas, que coordena o Centro de Contingência do coronavírus e dirige o Instituto Butantan, a população ainda precisa encarar o isolamento como meta para permitir que os serviços de saúde continuem com capacidade para atender os pacientes com COVID-19 em enfermarias e UTIs.

Sem medidas de isolamento, nós chegaríamos a algo em torno de 1 milhão de casos no estado de São Paulo. Nós estamos com 84 mil neste momento. Isto mostra quão efetivas foram as medidas de isolamento”, afirmou Dimas Covas. “Com as medidas, foi possível até o momento poupar 65 mil vidas”, concluiu.

Fonte: Portal do Governo de São Paulo

EDP registra aumento de 80% nas ocorrências de pipas na rede elétrica do Alto Tietê durante a quarentena

A EDP, distribuidora de energia elétrica do Alto Tietê, alerta para o aumento expressivo de ocorrências relacionadas a pipas na rede elétrica durante o mês de abril e a primeira quinzena de maio, período que coincide com a recomendação das autoridades para o isolamento social e suspensão das aulas escolares, como prevenção ao contágio pela Covid-19. Para ter uma ideia, somente nos últimos 45 dias foi apontado aumento de 80% nos casos de pipas na rede comparando ao mesmo período de 2019. Foram registradas 222 ocorrências, impactando 15.036 clientes com falta de energia.

Neste contexto de pandemia que a energia elétrica se tornou ainda mais essencial, seja para unidades de saúde, hospitais, mercados e residências, o impacto da interrupção da energia se torna mais preocupante. Além disso, o aumento destas ocorrências traz outra preocupação: o risco de graves acidentes, já que em muitas ocasiões a prática é realizada próxima de redes elétricas.

Foram registradas 222 ocorrências entre 1 de abril a 15 de maio em 2020, impactando mais de 15 mil clientes com falta de energia. Foto: Aaron Burden/Unsplash

Luciano Cavalcante, gestor executivo de operação EDP, reforça a importância da prática segura da brincadeira e para o respeito às orientações do isolamento social. “Nossa preocupação maior é com a segurança. Trabalhamos para restabelecer o fornecimento de energia o mais rápido possível, já que alguns minutos sem energia pode, inclusive, comprometer o tratamento de pacientes em hospitais, unidades de atendimento e centros médicos. Em período de isolamento social, é recomendável priorizar brincadeiras em que não seja necessário sair de casa.

Para o atendimento das ocorrências com pipas na rede, geralmente, é necessário o deslocamento de equipes técnicas para o reparo da fiação danificada e recomposição do sistema. As linhas de pipas com cerol ou produtos cortantes causam desligamentos ao romper os cabos de energia e, também podem provocar curtos-circuitos ao ficarem presas na fiação e serem puxadas, interrompendo o fornecimento de energia para os moradores da região. “Sabemos que o cerol e linha chilena ainda são muito utilizados e, por ser compostos de pó de vidro, são materiais altamente condutores de energia, podendo causar sérios acidentes com quem está brincando e com outras pessoas da comunidade” finaliza o gestor.

Os municípios da região com maior quantidade de registro no período da quarentena são: Itaquaquecetuba com 87 ocorrências e 12.341 consumidores impactados com falta de energia, Suzano com 53 casos e 1.319 clientes afetados e Mogi das Cruzes com 35 ocorrências 611 consumidores impactados.

Orientações para empinar pipas de forma segura

  • Em período de isolamento social, é recomendável priorizar brincadeiras em que não seja necessário sair de casa. Caso decida empinar pipas, evite locais como lajes e muros, já que a proximidade com os fios de alta tensão aumenta o risco de acidentes graves e fatais, além do perigo de quedas;
  • Além de serem proibidos, o cerol e a chamada “linha chilena” trazem risco para quem está empinando a pipa e também para terceiros, como motociclistas e pedestres, além de oferecem perigo no contato com a rede de energia. Ao cortar a camada protetora da fiação, a linha interrompe a transferência de corrente elétrica, podendo provocar curto-circuito;
  • Empine pipas longe de rede elétrica, em locais onde não exista nenhum tipo de cabo de energia, de serviço telefônico ou antenas de celular. Isso evita acidentes e interferências na qualidade desses serviços;
  • Se a pipa ficar presa nos fios elétricos, não tente retirá-la. Nunca use varas nem suba no poste para tirar uma pipa. O choque, nestes casos, pode ser fatal. Somente técnicos da distribuidora, treinados para este trabalho, que exige o uso de equipamentos de segurança, estão aptos a manusear a rede.
  • Arremessar objetos na rede elétrica para o resgate da pipa pode causar graves acidentes. O “lança-gato” (pedra presa a uma linha), ou qualquer outro objeto, não devem ser lançados na rede;

Um acidente causado por descarga elétrica pode deixar sequelas como queimaduras e, em casos mais extremos, causar a morte. Para conscientizar a população e orientar crianças e adultos sobre como reduzir os riscos na hora de brincar, a EDP e o Instituto EDP realizam projetos com as comunidades dos municípios onde a concessionária atua. Mais informações sobre segurança com energia elétrica podem ser acessadas no site edp.com.br/seguranca.

Em caso de ocorrências com a rede elétrica, os clientes devem entrar em contato por meio do site edponline.com.br, aplicativo EDP Online para smartphone ou pelo Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC), no 0800 721 0123. Para registro de falta de energia, é possível também enviar SMS para 28037 com a mensagem Falta Luz.

Coronavírus: Prefeitura de Mogi apresenta Plano de Retomada Econômica para combater efeitos da crise

A Prefeitura de Mogi das Cruzes finalizou nesta semana a elaboração do Plano de Retomada Econômica, com ações a serem adotadas para superar as dificuldades trazidas pela pandemia causada pelo novo coronavírus para os diversos setores produtivos do município. O principal objetivo é estimular o desenvolvimento da cidade, a criação de empregos e a geração de renda para empresas e para a população.

O plano traz diretrizes nos setores de empregabilidade, de apoio ao empreendedor, de parceria com as indústrias e de inovação tecnológica. Em todos estes setores, estão previstos o planejamento e a execução de ações que deverão beneficiar a indústria, o comércio, os estabelecimentos de serviços tanto no período de crise quanto no momento em que será possível o reinício das atividades econômicas.

O mundo está vivendo um momento de crise econômica, com a pandemia causada pelo novo coronavírus. Em Mogi das Cruzes, também sentimos estes reflexos e o plano prevê uma série de ações para combater os efeitos e apoiar o setor produtivo e os empreendedores, com grande foco na inovação”, destacou o prefeito Marcus Melo.

Plano de Retomada Econômica tem ações para estimular o desenvolvimento de Mogi das Cruzes, a criação de empregos e a geração de renda

Nesta quarta-feira, 20/05/2020, o Plano de Retomada Econômica foi apresentado ao Conselho Municipal de Inovação e Tecnologia (CMIT) e aprovado pelos membros. O documento também foi encaminhado para a Câmara Municipal, para que os vereadores pudessem conhecer o conteúdo e contribuir com o trabalho.

O documento prevê ações de implantação em curto prazo, execução ágil, baixo custo, foco na transformação digital e com a participação de entidades parceiras, empresas e da comunidade.

As primeiras ações previstas são o lançamento de um portal, que será uma Central de Apoio ao Empreendedor. Ele trará informações de interesse dos setores produtivos, serviços disponibilizados online, espaço para capacitações e conexões com os principais parceiros. Também deverá ser iniciado um chamamento público para os parceiros interessados em contribuir com conteúdo para ser disponibilizado aos empreendedores.

Na sequência, deverão ser colocadas em prática outras ações, como o Made in Mogi, uma plataforma para conectar a cidade com soluções tecnológicas e de inovação; o Playlist Emprega, uma coleção de vídeos com capacitação e casos de sucesso; o Emprega Digital, que modernizará o Emprega Mogi, trazendo mais acessibilidade para a população e para as empresas; e o lançamento das Rodadas de Mentoria, com a formação de grupos de empreendedores que receberão orientação online de contadores, advogados e outros especialistas em negócios. O trabalho continuará com o lançamento de um Caderno Econômico, o Emprega Certifica, o Demo Day e Rodadas de Negócio.

O Plano prevê etapas de identificação das necessidades, planejamento e execução, sempre pensando na inovação, no desenvolvimento e crescimento econômico sustentável de Mogi das Cruzes. Ele também enxerga um novo comportamento da população que deverá surgir com o final deste período de pandemia. Para isso, ele prevê ações de capacitação e de apoio para que os empreendedores possam se adaptar a esta nova realidade, que terá foco importante no relacionamento digital e utilização das novas tecnologias”, afirmou o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico e Social, Simei Baldani.

Plano de Retomada Econômica de Mogi das Cruzes

O secretário lembrou ainda que a Prefeitura de Mogi das Cruzes já vem desenvolvendo uma série de ações voltadas ao apoio aos empreendedores de Mogi das Cruzes. Entre os trabalhos estão o atendimento do Banco do Povo, com uma linha especial de crédito, o aplicativo Vetrina, uma nova forma gratuita de os comerciantes venderem online, ações de capacitação e mentorias do Polo Digital, o atendimento postal pela Sala do Empreendedor dos assuntos referentes à Junta Comercial do Estado de São Paulo (Jucesp) e o Mapeamento dos Desafios Econômicos e Produtivos de Mogi das Cruzes, uma pesquisa que ajudará na implementação de etapas do plano.

Outra ação importante desenvolvida pela Secretaria de Desenvolvimento  Econômico e Social é a plataforma Investe Mogi, que oferece informações sobre as áreas disponíveis para receber indústrias ou grandes empresas na cidade, atraindo novos investimentos e geração de empregos. Um chamamento púbico está aberto para as imobiliárias e corretores de imóveis interessados no cadastramento de áreas, que pode ser feito entre os dias 1º de junho e 31 de dezembro.

Fonte: Prefeitura de Mogi das Cruzes

Coronavírus: Serviços essenciais funcionam normalmente durante o feriado antecipado

A Prefeitura de Mogi das Cruzes não terá expediente nesta sexta-feira, 22/05/2020, devido à antecipação do feriado de Corpus Christi. A medida foi aprovada pela Câmara Municipal nesta terça-feira, 19/05, e tem o objetivo de melhorar o índice de isolamento social para combater a disseminação do novo coronavírus. A Assembleia Legislativa do Estado (Alesp) deverá votar ainda nesta semana a proposta do Governo do Estado de antecipar o feriado em homenagem à Revolução Constitucionalista para esta segunda-feira, 25/05. De qualquer forma, os serviços essenciais funcionam todos os dias.

Caso a proposta de antecipação do feriado de 9 de Julho para segunda-feira seja aprovada pela Alesp, o atendimento da Prefeitura de Mogi das Cruzes à população por meio dos canais eletrônicos volta na terça-feira, 26/05, da mesma forma que vem sendo feito desde o início do período de quarentena e isolamento social.

Na área da saúde, o Centro de Referência do Coronavírus, montado no Hospital Municipal, funcionará normalmente no feriado. A estrutura tem entrada exclusiva pelo Bloco B, que fica na rua Capitão Francisco de Almeida, nº 466, no distrito de Braz Cubas. O atendimento telefônico pelo número 4798-5160 também continuará sendo feito. O mogiano que tiver dúvidas ou precisar de atendimento pode utilizar o serviço. O serviço por WhatsApp não funcionará nos dias de feriado e no final de semana.

O Centro de Referência do Coronavírus, montado no Hospital Municipal com entrada pelo Bloco B, funcionará normalmente durante os dias do feriado

Para outras situações de atendimento de urgência e emergência, estarão atendendo a população as UPAs 24 horas do Rodeio (avenida Pedro Romero s/nº) e do Oropó (avenida Kaoru Hiramatsu, s/nº) atenderão a população para casos de urgência e emergências. As unidades 24 horas de Jundiapeba e Jardim Universo e o Pró-Criança, que fica no Mogilar, também atenderão normalmente a população. Para remoção de pacientes, a Cure 192 funcionará ininterruptamente.

A Guarda Municipal e o Departamento de Fiscalização de Posturas manterão o atendimento ao público pelo telefone 153 para denúncias e reclamações referentes ao descumprimento das medidas de quarentena, utilização de máscaras e outras legislações municipais, além de casos de urgência e emergência.

Na sexta-feira, 22/05, o Mercado Municipal funcionará das 8h00 às 12h00, obedecendo às regras estabelecidas para este período de quarentena. Já no sábado, 23/05, o funcionamento será das 8h00 às 16h00 e no domingo, 24/05, das 8h00 às 12h00. Caso a antecipação do feriado estadual seja aprovada, o funcionamento na segunda-feira, 25/05 também será das 8h00 às 12h00.

As feiras livres e o Mercado do Produtor também terão atendimento ao público durante o feriado, também respeitando as determinações que estão em vigor durante o período de quarentena.

Fonte: Prefeitura de Mogi das Cruzes

Coronavírus: Governo de SP vai contratar 4.500 leitos da rede privada

O Governador João Doria anunciou, durante a coletiva desta quarta-feira, 20/05/2020, que o Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria da Saúde, vai contratar 4.500 leitos totais da rede privada de saúde, sendo 1.500 leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) para atendimento exclusivo de pacientes com casos suspeitos ou confirmados.

Com essa medida, São Paulo praticamente dobra o numero de leitos disponíveis para o atendimento aos pacientes com coronavírus”, comentou o Governador João Doria. “Em vinte dias, todos os leitos deverão estar implantados e operacionalizados. Até no máximo, 11 de junho”, garantiu o Governador sobre a medida recomendada pelo Centro de Contingência do Coronavírus do Estado de São Paulo, dada a incidência do número de pessoas infectadas.

O Estado de São Paulo tinha 3.500 leitos de UTI no SUS. Depois do surgimento da pandemia do coronavírus, são 1.624 novos leitos habilitados.

Esses 1.500 novos leitos de UTI incorporados contará com investimento de R$ 432 milhões para os leitos e outros R$ 162 milhões para os clínicos, totalizando R$ 594 milhões. Os detalhes do chamamento público para a contratação dos leitos na rede particular foi publicado no Diário Oficial do Estado nesta quarta-feira, 20, e atenderá todas as regiões do estado.

A Secretaria irá pagar uma diária de R$ 1.600 por dia nos leitos de UTI, com previsão de um total de 270 mil diárias. Já para as vagas clínicas, a remuneração será de R$ 1.500 por cinco dias ou mais, com previsão de 108 mil diárias.

Estamos diante de um preocupante cenário de escalada da pandemia, com risco de estrangulamento do sistema. Por isso, o Centro de Contingência recomendou, a partir de estudos técnicos, a contratação de leitos em parceria com a iniciativa privada, o que nos dará condições de acolhermos os doentes de coronavírus, seja os que precisam de UTI ou leito hospitalar clínico”, afirma José Henrique Germann, secretário de Estado da Saúde de São Paulo e um dos 16 especialistas em saúde que compõem o Centro de Contingência do Coronavírus.

Fonte: Portal do Governo de São Paulo