Novo Basquete Brasil 2014/2015 – semifinal – jogo 5

O Paschoalotto/Bauru está na Final do NBB 7. Na noite desta quarta-feira (20/05/2015), a equipe do interior do Estado de São Paulo venceu o quinto e decisivo jogo da série semifinal contra o Mogi das Cruzes/Helbor e garantiu a inédita passagem à decisão. Ao lado de sua calorosa torcida, que lotou completamente o Ginásio Panela de Pressão, o time do técnico Guerrinha triunfou por 77 a 65 e agora decidirá o título da competição nacional com o atual bicampeão Flamengo.

Depois de duas vitórias para cada lado, as equipes fizeram um jogo cheio de tensão e truncado na noite desta quarta-feira. Mas, atuando em casa, os líderes da fase de classificação mostraram mais tranquilidade nos momentos decisivos e com um aproveitamento perfeito na linha dos lances livres – 22 acertos em 22 tentativas – levaram a melhor. Bauru é a sétima equipe a chegar à Final do NBB na história e o campeonato terá sua sexta decisão diferente em sete edições.

Nossa classificação à Final é merecida por tudo que fizemos na temporada. Fizemos uma grande fase de classificação e nos playoffs caímos um pouco. Mas o time mostrou muita personalidade e superou o momento difícil. Nos reorganizamos e hoje conseguimos fazer um bom jogo”, analisou o comandante bauruense Guerrinha.

NBB 2014/2015
Filipin, do Mogi. Foto: João Pires/ LNB

A Final do NBB será disputada em uma melhor de três jogos. A decisão terá início na próxima terça-feira (26/05), às 21h30, na HSBC Arena (Rio de Janeiro), ao vivo no SporTV. Depois, a segunda partida acontecerá no dia 30/05 (sábado), no Ginásio de Esportes, em Marília, às 10h00, ao vivo na TV Globo e no SporTV. Caso necessário, o Jogo 3 acontecerá uma semana depois, no mesmo horário, também no interior de São Paulo, ao vivo na TV Globo e no SporTV.

O grande nome do triunfo bauruense ficou por conta do pivô Murilo. Discreto na série até então, o camisa 21 teve uma grande atuação na partida decisiva e deixou a quadra com um duplo-duplo na conta: 17 pontos e 12 rebotes. Cestinha da equipe, com 20 pontos, sendo dez deles no segundo tempo, o armador Ricardo Fischer foi outro protagonista da equipe vencedora.

Autor de 14 pontos (4/5 nas bolas de três pontos), o ala norte-americano Robert Day foi outro bom nome do Bauru no duelo. Quem também merece destaque é o ala/armador Larry Taylor, responsável por oito pontos, sete assistências e sete rebotes.

Pelo Mogi, os principais nomes em quadra foram o pivô Paulão Prestes, com 14 pontos e cinco rebotes, e o ala Tyrone, autor de 11 pontos, seis assistências e cinco rebotes. Pela segunda temporada consecutiva, a equipe do Alto do Tietê se despede do maior campeonato de basquete do país nas semifinais.

O jogo

O primeiro quarto foi intenso e movimentado do início ao fim. Apostando no jogo interno e com boas infiltrações, Bauru assumiu a ponta do placar logo nos primeiros instantes. Do outro lado, Mogi contou com três bolas de três pontos – uma de Shamell e duas de Gustavinho – para se manter na cola dos rivais (10 a 9). Diante de uma defesa por zona dos visitantes, os donos da casa passaram a apostar nos tiros de longa distância e não obtiveram sucesso, com nenhum acerto em oito tentativas da linha de 6,75m.

Com seu trabalho defensivo funcionando muito bem e forçando os rivais a arremessar de fora, Mogi passou a atacar com segurança. Com seguidas jogadas no garrafão de Tyrone e Paulão, virou o jogo e abriu cinco pontos de frente (17 a 12). No entanto, no último lance da parcial inicial, Robert Day acertou a primeira bola de três pontos do time bauruense no jogo e no estouro do cronômetro cortou a diferença no placar para dois pontos (17 a 15).

Ainda com sua defesa por zona fazendo os anfitriões optarem por finalizações da linha de três pontos – foram mais cinco tentativas e nenhum acerto para os bauruenses –, Mogi se manteve na liderança no início do segundo período. Porém, a equipe não conseguiu tirar proveito do seu bom trabalho defensivo para ampliar a vantagem no placar. Com decisões precipitadas, o ataque da equipe do Alto do Tietê travou e os donos da casa conseguiram virar o jogo (23 a 22), após contra-ataque finalizado por Ricardo Fischer, obrigando o espanhol Paco García a pedir tempo.

Mesmo após a pausa, os mogianos seguiram sem conseguir atacar com tranquilidade. Do outro lado, com o domínio dos rebotes e atuação destacada de Murilo, os donos da casa conseguiram manter uma boa produção, mesmo ainda sem conseguirem bom aproveitamento nas bolas de três. Então, apostando nos contra-ataques e no jogo interno Bauru seguiu melhor na partida e foi para os vestiários com sua maior vantagem na partida até então (34 a 28).

As defesas seguiram mandando no jogo na volta do intervalo. Só que do lado mogiano um atleta roubou a cena e colocou fogo no jogo. Com sete pontos, Paulão apareceu muito bem no início do terceiro quarto e foi fundamental para a equipe visitante encostar (42 a 41). Depois de bela infiltração de Shamell, Mogi chegou a assumir a liderança (43 a 42), mas foi por pouco tempo. Robert Day converteu duas bolas de três pontos praticamente seguidas e Bauru não só recuperou a liderança como partiu para os dez minutos finais com sete pontos de frente (50 a 43).

Imprimindo um ritmo muito forte dos dois lados da quadra, Bauru colocou a diferença no placar na casa dos dois dígitos pela primeira vez na partida no início do último quarto. Com destaque para os cinco pontos marcados por Ricardo Fischer, os donos da casa começaram a parcial final com uma sequência de 10 a 6 e abriram 11 pontos de frente (60 a 49), com pouco menos de seis minutos para o fim.

Depois de Paco parar o jogo, Mogi até esboçou que reagiria, mas bolas de três pontos seguidas de Murilo e Hettsheimeir mantiveram os comandados de Guerrinha tranquilos na frente (66 a 56). A partir de então foi questão de tempo para Bauru comemorar a vitória. Sem perder o foco e a mão certeira nos lances livres, os donos da casa confirmaram a vitória sem sustos e fizeram a festa com sua torcida.

Fonte: Liga Nacional de Basquete

Anúncios