Reunião de prefeitos em São Paulo aponta propostas para enfrentar a crise hídrica

O prefeito Marco Bertaiolli e o diretor-geral do Serviço Municipal de Águas e Esgotos (Semae), Marcus Melo, participaram nesta quarta-feira (28/01/2015) pela manhã, em São Paulo, da reunião comandada pelo prefeito paulistano Fernando Haddad e pelo secretário estadual de Recursos Hídricos, Benedito Braga, com prefeitos de 30 municípios da Região Metropolitana de São Paulo. O encontro definiu um conjunto de propostas para o combate à crise hídrica: criação de um Plano de Contingência; aumento da comunicação com a população; formação de um Comitê de Crise e estudos sobre a implantação de multas aos cidadãos que desperdiçarem água em atos como lavagem de carros, calçadas ou quintais.

Foi uma reunião produtiva, na qual foram feitas recomendações a apresentadas propostas. Cada cidade mencionou as dificuldades que vem enfrentando na área de abastecimento. No caso específico de Mogi das Cruzes, estamos intensificando a campanha de conscientização da população, procurando aumentar o percentual de economia global para 30% neste verão. O Semae está com mais equipes de rua, trabalhando para combater os vazamentos com a maior agilidade possível”, afirmou o prefeito Marco Bertaiolli ao final do encontro.

crise-hidrica-foto
Prefeitos de 30 municípios da Região Metropolitana de São Paulo participaram da reunião. Foto: Ney Sarmento

A reunião desta quarta-feira definiu propostas e haverá um novo encontro com os prefeitos para dar continuidade ao debate. O Plano de Contingência foi um dos pontos apresentados e, no caso de Mogi, ele já existe e foi apresentado pelo Semae durante audiência na Câmara Municipal, em outubro do ano passado. O segundo item debatido entre os prefeitos é o aumento da comunicação com a população, tornando-a cada vez mais eficiente e eficaz. O objetivo desta ideia é fazer com que a população tenha mais informações sobre situação do abastecimento.

Outra recomendação debatida pelos prefeitos e apresentada na reunião desta quarta-feira foi a criação de um Comitê de Crise, formado pelos prefeitos da Região Metropolitana, pelos consórcios de municípios, além de representantes do Governo do Estado e da Sabesp. O quarto item discutido pelos prefeitos foi a possibilidade de aplicação de multas e penalidades aos cidadãos que utilizarem água tratada para ações como lavagem de calçadas, passeios públicos e carros – inclusive com a apresentação de um esboço de projeto de lei.

Seguindo as determinações do prefeito Bertaiolli, o Semae está intensificando o trabalho de comunicação com a população e principalmente as ações de combate aos vazamentos nas ruas, além de estimular os mogianos a economizarem água. A cidade já economizou 15% em dezembro de 2014, em comparação com o mesmo mês de 2013, e nosso desafio agora é aumentar este índice para 30%. Nossa prioridade é reduzir o consumo e, só em último caso, estudaremos a aplicação de penalidades aos cidadãos”, afirmou Marcus Melo.

Fonte: Prefeitura de Mogi das Cruzes

Anúncios