Câmara de Mogi recebe diretor do Semae para tratar da crise hídrica

A Comissão Permanente de Serviços Públicos e Semae da Câmara Municipal de Mogi das Cruzes recebeu, nesta quinta-feira (23/10/2014), o diretor superintendente do Semae, Marcus Melo, para tratar sobre os reflexos em Mogi das Cruzes da crise hídrica que tem atingido todo o Estado de São Paulo.

Nossa intenção é saber quais as medidas o Semae está tomando para evitar a falta de abastecimento em Mogi das Cruzes. A população precisa saber qual a situação da nossa Cidade e se o Município está preparado para uma crise”, pontuou o vereador Benedito Faustino Taubaté Guimarães, que preside a Comissão.

Segundo o diretor do Semae, esta é a pior crise hídrica dos últimos 84 anos, que tem afetado o Estado de São Paulo, além de outras regiões, como Minas Gerais e Rio de Janeiro. “O Sistema Alto Tietê, inclusive, ampliou o abastecimento para compensar a seca no Sistema Cantareira. Ainda assim, Mogi das Cruzes ainda está com a situação controlada, já que grande parte do Município não utiliza do Sistema Alto Tietê e possui como fonte o Rio Tietê. Atualmente, o Semae produz 65% da água consumida na Cidade, a partir da captação na Estação Pedra de Afiar, no Cocuera”, destacou.

23-10-2014
O diretor-geral do Semae detalhou as ações do Semae para enfrentar a crise de abastecimento que afeta o Estado de São Paulo. Foto: CMMC

De acordo com ele, a autarquia tem tomado algumas medidas para evitar a crise na Cidade. “Além de possuir essa produção própria, o Semae investiu no reaparelhamento e reativação da Estação de Captação e Recalque 1 (ECR-1), tem monitorado os sistemas de distribuição de água e realizado outros métodos de controle. Também já está sendo feitas palestras em escolas, empresas e comunidades e aplicado um programa de conscientização infantil. Por fim, ampliamos o atendimento 115 e garantimos mais agilidade no combate a vazamentos”, explicou.

Ainda assim, acrescenta Melo, o Semae está preparado para agir se a crise hídrica chegar a Mogi das Cruzes. “Se for necessário, estabeleceremos um plano de contingência. Ainda não estamos trabalhando com essa possibilidade. Afinal, historicamente, o maior período de chuvas na nossa região é de dezembro a janeiro”, lembrou.

O 1º vice-presidente do Legislativo, o vereador Mauro Araújo, questionou o diretor sobre a região da Cidade que hoje é abastecida pela Sabesp. “Esta área ainda representa 35% da Cidade. A nossa preocupação é que acabe água somente nesta região, que inclui, por exemplo, parte do Distrito de Braz Cubas”, apontou.

Melo afirmou que a Sabesp já garantiu à autarquia que não irá faltar água nessa região da Cidade. “O abastecimento daquela área está normal, mas se for necessário poderemos ampliar a distribuição”, concluiu.

Também participaram os vereadores Francisco Moacir Bezerra de Melo Filho, Odete Sousa, Jean Lopes, Caio Cunha, Iduigues Ferreira Martins e Marcos Furlan.

Fonte: Câmara Municipal de Mogi das Cruzes

Anúncios