Coronavírus: Governo de São Paulo faz apelo para que população não viaje na Páscoa

O Governador João Doria fez um apelo, nessa quarta-feira, 08/04/2020, para que as pessoas não viajem durante o feriado prolongado da Páscoa e permaneçam em casa para contribuir com as medidas de combate ao contágio pelo novo coronavírus.

A orientação do Governo de São Paulo é de que a população mantenha o isolamento social, em atendimento ao decreto da quarentena, e não faça viagens desnecessárias especialmente para municípios do litoral.

Só na lembrança: Pedido é para que as pessoas não vão ao litoral e fiquem em casa no feriado; isolamento social é fundamental para combate ao coronavírus

Estamos na Semana Santa e temos um feriado prolongado a partir dessa sexta-feira (10), se é que podemos falar em feriado em um período de uma crise tão densa e tão triste como essa. Eu faço um apelo às famílias que, por favor, não se dirijam ao litoral de São Paulo. É um apelo que faço como governador do Estado: permaneçam em casa”, destacou Doria.

O Governo de São Paulo não instalou bloqueios ou impôs restrições de utilização das rodovias paulistas durante o período de quarentena. Apesar disso, o acesso às praias não está liberado. “Peço que não se desloquem. As praias estão fechadas, no Litoral Norte, no Litoral Sul e na Baixada Santista. Isso foi uma determinação do Governo de São Paulo e uma orientação correta de prefeitos e prefeitas das cidades do litoral do Estado de São Paulo”, pontuou o Doria.

O Governador utilizou as estatísticas de contaminação pelo coronavírus para embasar o pedido. Ele destacou que São Paulo tem 56% dos óbitos e 41% dos casos confirmados de COVID-19 no Brasil. Apenas na terça-feira (7), foram registradas 67 mortes por coronavírus, o maior índice desde o início da pandemia. Sem as medidas de quarentena, os números poderiam ser maiores. Por este motivo, o pedido do Governo do Estado é para que a população se conscientize sobre a importância do isolamento e evite fazer viagens.

A orientação está alinhada com os pedidos apresentados ao Governo de São Paulo pelos prefeitos das cidades litorâneas. Eles defendem que a população não se desloque até o Litoral, para que não haja maiores índices de contaminação e consequente sobrecarga dos sistemas de saúde dos municípios.

Os prefeitos estão sintonizados, preocupados com o atendimento à população residente nestas cidades. Portanto, mais uma vez, a recomendação é: por favor, faça a sua Páscoa em casa”, concluiu Doria.

Fonte: Portal do Governo de São Paulo

Coronavírus: Parte das feiras livres de Mogi serão retomadas a partir desta quarta, 08/04/2020

A Prefeitura de Mogi das Cruzes, por meio da Secretaria de Agricultura, autorizou reabertura das feiras livres, que funcionam de terça a sábado na cidade. Os feirantes deverão atender as medidas de proteção para evitar a disseminação do coronavírus. A partir desta quarta-feira, 08/04/2020, somente serão comercializados frutas, legumes, verduras, carnes, ovos e flores. As feiras noturnas e as que funcionam aos domingos continuam suspensas.

A autorização foi dada a partir desta terça-feira, 07/04, data em que os feirantes adquiriram os produtos e receberam as orientações para o funcionamento. “Nosso objetivo com a retomada é manter os empregos dos produtores e feirantes e permitir a aquisição de gêneros nos bairros. Não será permitido a venda de pastel e outros alimentos do gênero”, destacou o prefeito Marcus Melo, durante a live realizada na última segunda-feira, 06/04.

As feiras noturnas e as que acontecem aos domingos continuam suspensas. Foto: PMMC

As feiras terão um número menor de barracas e o espaçamento entre elas deverá ser de no mínimo 1 metro. O atendimento deverá obedecer a distância de 1 metro entre o cliente e a barraca. Será disponibilizado álcool em gel e os feirantes usarão máscaras. A orientação da Secretaria de Agricultura é de que vá até a feira uma pessoa por residência e que a compra seja feita de maneira rápida. Os clientes não poderão tocar nas mercadorias, que serão colocadas nas sacolas pelos feirantes.

Confira no site da Prefeitura de Mogi das Cruzes a programação das feiras, lembrando que feiras noturnas e as que acontecem aos domingos continuam suspensas

Mercado Municipal

O Mercado Municipal também está funcionando parcialmente desde o dia 3 de abril. Estão autorizados a funcionar 15 boxes, que comercializam gêneros de primeira necessidade (hortifrúti, mercearia e carnes) e ração animal. O acesso é limitado e a entrada é feita pela Rua Coronel Souza Franco, 440. O funcionamento será de segunda à sexta-feira das 8h00 às 17h00 e aos sábados das 8h00 às 16h00. O Mercadão estará fechado aos domingos. O atendimento da Secretaria de Agricultura está sendo feito pelo telefone 4798-5136, via WhatsApp pelo número 4798-5025 e pelo e-mail agricultura@pmmc.com.br.

Fonte: Prefeitura de Mogi das Cruzes

Cuidado com receitas caseiras para combater o novo coronavírus

Higienizar corretamente as mãos é uma das formas mais importantes de prevenção à COVID-19, doença provocada pelo novo coronavírus. O uso de água e sabão é eficiente mas, na falta deles, profissionais da saúde recomendam também o uso de álcool gel 70%. Quem recorrer a essa alternativa deve tomar cuidados para não comprar produtos de origem duvidosa e não devem recorrer a soluções caseiras.

O uso do álcool em gel só é necessário quando estamos em locais onde não é possível lavar as mãos. Nesta situação, ele cumpre a mesma função do sabão de exterminar vírus e bactérias presentes na pele”, afirma o professor de química da Escola Técnica Estadual (Etec) Trajano Camargo, de Limeira, Edivaldo Luis de Souza.

Produtos de origem duvidosa podem não ter eficácia; higienização com água e sabão é prática eficiente para prevenção

O professor alerta, no entanto, para o risco de soluções caseiras que estão sendo divulgadas na internet. “Esta receita mais comum que encontramos em redes sociais [com mistura de componentes] não garante a ação de germicida”, explica Souza.

O álcool gel 70% é o mais recomendado porque tem um efeito mais prolongado como antisséptico. O produto com concentração abaixo de 70% tem mais água e pode não eliminar o vírus. Já a fórmula superior a 70% é agressiva à pele, pode provocar ressecamento, além de evaporar mais rapidamente, o que pode ter comprometer a ação germicida.

Para evitar os riscos de usar álcool em gel com uma concentração abaixo ou superior ao recomendado (70%), Souza explica que o consumidor deve verificar se no rótulo do produto constam o registro junto à Anvisa, as informações sobre o fabricante, laudos técnicos, a identificação do órgão responsável pelos testes físico-químicos e sua compatibilidade com a farmacopeia brasileira.

Fatores de risco dos antissépticos e detergentes falsificados

O consumidor tem de estar atento não só à qualidade do álcool gel, mas também a dos detergentes. O professor lembra que a concentração de matérias-primas diferente da que é indicado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) comprometem a ação dos detergentes no combate aos vírus e bactérias.

Entre elas estão a pureza da água para diluição, os locais de estocagem do produto, as embalagens suscetíveis a vazamentos, as contaminações químicas cruzadas, as contaminações biológicas causadas pelo contato com as mãos ou com o ambiente e os processos de produção que nem sempre seguem as boas práticas de manipulação desses produtos.

Fonte: Portal do Governo de São Paulo

Coronavírus: Governo de SP prorroga quarentena até 22 de abril

O Governador João Doria decidiu prorrogar por mais 15 dias a quarentena em todos os 645 municípios de São Paulo, até o dia 22 de abril. A decisão foi tomada após reunião com 15 médicos do Centro de Contingência do coronavírus, que apontaram que o contágio já chegou a cem cidades paulistas e mais de 400 hospitais públicos e privados. Projeções apontam que prolongar o distanciamento social pode evitar mais de 160 mil mortes em todo o Estado.

A prorrogação da quarentena será feita por mais 15 dias, do dia 8 até o dia 22 de abril, em todo o estado e pelas razões que foram largamente expostas por cientistas, médicos e especialistas. Prefeitas e prefeitos terão o dever e a obrigação de seguir a orientação do Governo do Estado. Isto é constitucional, não é uma deliberação que pode ou não ser seguida”, afirmou o Governador.

Nenhuma aglomeração de nenhuma espécie em nenhuma cidade de São Paulo será admitida. As Guardas Municipais ou Metropolitanas deverão agir e, se necessário, recorrer à Polícia Militar para que imediatamente possa haver a dissipação de qualquer movimento ou aglomeração de pessoas. Esta é uma deliberação que deverá ser rigorosamente seguida pela população do estado de São Paulo na defesa de suas vidas e de seus familiares”, acrescentou Doria.

Medida pode evitar mais de 160 mil mortes; novo coronavírus chega a 100 cidades e 400 hospitais paulistas

O número de mortes pela COVID-19 entre 17 de março e 5 de abril já é quase igual ao total de óbitos por gripe registrado ao longo de todo o ano passado. As internações de pacientes com a confirmação da doença em leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) cresceram 1.500% desde 20 de março, passando de 33 para 524, no último dia 3. As mortes subiram 180% em uma semana.

Para tentar conter o avanço dos casos, que já está lotando hospitais – somente no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, são 220 pacientes suspeitos ou confirmados, dos quais 110 internados em UTI –, o Governo do Estado determinou a prorrogação da quarentena por mais 15 dias. A recomendação é que as pessoas fiquem em casa. Os serviços considerados essenciais continuam em funcionamento, como nos primeiros 15 dias da quarentena.

A decisão segue orientação da OMS (Organização Mundial da Saúde), da Opas (Organização Pan-americana de Saúde), do Ministério da Saúde e do Centro de Contingência do coronavírus de São Paulo, formado por epidemiologistas, cientistas, pesquisadores, infectologistas e virologistas sob a coordenação do médico David Uip.

Conforme projeção do Instituto Butantan, centro de pesquisas biomédicas vinculado à Secretaria de Estado da Saúde, a prorrogação da quarentena pode evitar 166 mil óbitos em São Paulo, além de 630 mil hospitalizações e 168 mil internações em UTIs.

A extensão da quarentena também é importante para que o Estado organize a rede pública de saúde ao número crescente de doentes. Já foram ativados 1.524 novos leitos de UTI em hospitais estaduais, municipais e filantrópicos. Além disso, o Governo de São Paulo prepara a implantação de um hospital de campanha no Complexo Esportivo Ibirapuera, na capital.

Casos e mortes

O número de casos de coronavírus no Estado desde 26 de fevereiro chega a 4.620. Ao todo, mais de 400 hospitais, entre públicos e privados, notificaram casos suspeitos de coronavírus. O total de mortes por COVID-19 (275 em 20 dias) já está próximo das 297 vítimas fatais por gripe registradas em 2019.

Os dados também apontam que o coronavírus mata dez vezes mais do que todos os tipos de meningite. Até o momento são 13,7 mortes diárias, em média, por COVID-19, contra 1,3 morte/dia por meningite no Estado em 2018, conforme informações consolidadas pela Vigilância Epidemiológica do Estado.

Entre as vítimas fatais da COVID-19, 85,8% tinham 60 anos ou mais. Desses, 92,1% tinham algum tipo de comorbidade. Do total de mortos pela doença, de todas as faixas etárias e que tinham alguma comorbidade, 69,1% eram cardiopatas; 47,1% tinham diabetes; 16,1% apresentavam pneumonia; 12,6% tinham algum tipo de doença neurológica; 7,6% possuíam imunodeficiência; 3,1% eram asmáticos; e 2,2% apresentavam doença hematológica. Os boletins são divulgados diariamente no site do Centro de Vigilância Epidemiológica do Estado (cve.saude.sp.gov.br).

Cenários

O cenário epidemiológico de São Paulo em relação ao coronavírus é, no momento, melhor que em relação a outros países. O Governo do Estado decretou quarentena apenas 26 dias após o primeiro caso, quando havia 810 infectados e 22 mortes. Com isso, a curva de casos apresentou tendência de achatamento.

Na Itália, por exemplo, a quarentena foi decretada 49 dias do primeiro caso, já com 47.021 casos e 4.032 mortes, e mesmo assim a curva de contágio continuou crescente. O mesmo ocorreu na Espanha, onde a quarentena começou 45 dias depois do primeiro caso, quando havia 11.826 casos e 533 mortes.

Em São Paulo, o distanciamento social está ajudando a mitigar a transmissão de casos. As pessoas estão tendo menos contato entre si e, com isso, a taxa de contágio por COVID-19 caiu. Segundo estudo do Instituto Butantan em parceria com o Centro de Contingência, de acordo com os dados epidemiológicos disponíveis, antes das medidas de restrição a velocidade de transmissão do vírus era de uma para seis pessoas. Em 20 de março esse número caiu para uma para três. No dia 25, já era de uma para menos de duas. Mas somente quando a taxa for menor do que um para um poderá se dizer que a epidemia foi controlada.

A redução do contágio permitiu retardar o pico de internações nos hospitais da cidade de São Paulo, que ocorreria já na primeira semana de abril se nada tivesse sido feito. Conforme projeções do Instituto Butantan em parceria com a UnB (Universidade de Brasília), haveria mais doentes por coronavírus do que leitos necessários no SUS de São Paulo, e seria preciso acrescentar 20 mil novas vagas, das quais 6,5 mil de UTI. O sistema, portanto, iria colapsar.

Ainda conforme as informações do estudo, com 66% dos paulistanos em suas casas após 23 de março, houve expressiva redução de pacientes com quadros pulmonares internados em hospitais. Mas o isolamento diminuiu nos últimos dias. Em 2 de abril, era de 52,4% na cidade de São Paulo e de 51,8% no Estado.

Esses resultados positivos reforçam a importância das medidas de afastamento social adotadas. A evolução da epidemia indica claramente que as medidas tem que ser mantidas, e a adesão da sociedade, reforçada. O Centro de Contingência avalia diariamente o impacto das medidas na mobilidade das pessoas, e a constatação é que ainda existe espaço para melhoria. Neste momento crítico da epidemia, a única medida efetiva ao nosso dispor é o distanciamento social”, afirma o médico David Uip.

Fonte: Portal do Governo de São Paulo

Coronavírus: Prefeitura divulga normas para doação de kits de alimentos para autônomos e microempreendedores

A Prefeitura de Mogi das Cruzes divulgou nesta quinta-feira, 02/04/2020, uma resolução com as normas para a entrega de kits de alimentação no mês de abril para famílias que tiveram suas atividades paralisadas pela quarentena de combate à pandemia de Covid-19. Serão beneficiados profissionais cadastrados no MEI e autônomos, nos dois casos, que se enquadrem nos parâmetros definidos após deliberação do Comitê de Ação Social e Econômica (CASE).

Kits de alimentação serão entregues para microempreendedores individuais e autônomos que se enquadrarem nas normas da resolução. Foto: Ney Sarmento/PMMC

De acordo com a normativa, as famílias receberão um kit de alimentação no mês de abril. As entregas começaram nesta sexta-feira, 03/04.

Terão direito ao benefício, as pessoas inscritas nos cadastros do município para MEI’s até 20 de março, desde que não recebam benefícios financeiros estaduais ou federais e tenham renda familiar de até três salários mínimos, o que corresponde a R$ 3.135,00.

Também serão beneficiados aqueles que comprovem trabalho informal e de economia criativa e que fizeram cadastramento junto aos canais da Ouvidoria Municipal. Neste caso, a renda familiar deve ser de até dois salários mínimos – o equivalente a R$ 2.090,00 – informada por declaração do solicitante. O beneficiário também não pode receber benefícios financeiros de órgãos públicos e privados.

Estão contempladas as categorias ambulantes, feirantes, artesãos, diaristas, agricultores, recicladores, produtores de economia criativa, motoristas de aplicativos, taxistas e taxistas auxiliares, cabeleireiros, manicures, pedicuro, comerciantes varejistas de artigos de vestuário, promotores de venda, lanchonetes, casas de chá, de sucos e similares, além de outras atividades profissionais autônomas que se enquadrem nas condições estabelecidas pelo regramento.

As famílias em situação de vulnerabilidade social já cadastradas no CadÚnico e que não recebam transferência de renda de qualquer programa federal ou outro benefício também serão beneficiadas.

Os beneficiados receberão os alimentos no endereço cadastrado e caso haja registro de mais de um cadastramento no mesmo endereço, será disponibilizado um kit de alimentação. O contemplado deverá apresentar um documento com identidade e assinará a declaração de recebimento. Caso sejam constatadas irregularidades, o cadastro será cancelado e o responsável pelas informações será responsabilizado.

A resolução lembra ainda que, por se tratar de uma ação em parceria da administração municipal com a iniciativa privada por meio de doações, os kits de alimentação serão entregues de acordo com a sua disponibilização.

O cadastramento dos profissionais autônomos deve sendo feito preferencialmente pelo site mogidascruzes.eouve.com.br/coronavirus ou pelo aplicativo eOuve. Cerca de 11 mil pessoas já fizeram o cadastro.

Fonte: Prefeitura de Mogi das Cruzes